Polícia Civil realiza operação no Complexo da Maré

Ação teve como objetivo desarticular quadrilha acusada de sequestros e roubos

iG Rio de Janeiro |

Fernando Quevedo / Agência O Globo
Três suspeitos foram presos na operação realizada no Complexo da Maré
Um homem morreu na operação que policiais civis da 37ª DP (Ilha do Governador) e da 21ª DP (Bonsucesso) realizaram na manhã desta terça-feira (22) nas favelas Parque União e Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro. Segundo os agentes, a vítima é um comerciante, morador da comunidade, atingido por um disparo efetuado por criminosos.

Leia também: Conheça a futura sede do Bope no Complexo da Maré

O projétil proveniente de uma pistola ficou alojado nas costas da vítima. O resultado de uma perícia realizada no local descartou a hipótese de que o tiro tenha sido disparado pelo helicóptero da Polícia Civil. De acordo com o delegado titular da 37ª DP (Ilha do Governador), Deoclésio Francisco de Assis, não houve troca de tiros entre policiais, que atuavam por terra, e bandidos no momento em que o morador foi atingido.

A incursão desta terça-feira teve como objetivo cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra membros de uma quadrilha acusada de praticar sequestros relâmpagos, roubos de veículos e a residências na região da Ilha do Governador. Três pessoas suspeitas foram presas. A ação contou com o apoio de helicópteros, veículos blindados e de agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod).

O Complexo da Maré receberá em breve a nova sede do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) . O espaço onde ficará o quartel está perto da comunidade e de vias expressas importantes, como as linhas Vermelha e Amarela e a Avenida Brasil. A área também vai sediar a Companhia Independente de Policiamento com Cães e o GAM (Grupamento Aéreo e Marítimo).

Conforme reportagem publicada no iG, o Complexo da Maré havia se transformado nos últimos anos no "QG" da quadrilha do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, no Rio. O braço-direito do criminoso, Marcelo da Silva Leandro, o Marcelinho Niterói , que controlava o entreposto de drogas e armas no local, entretanto, foi morto em um confronto com a polícia no início deste mês.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG