Polícia afirma que psicóloga tomava medicação antidepressiva

Karen Tannhauser está desaparecida há três dias; polícia considera o caso um mistério

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

A psicóloga Karen Tannhauser, de 37 anos, que está desaparecida desde o último dia 31, sofria de um quadro depressivo e tomava medicação controlada para controlar os sintomas da doença.

A informação foi passada por investigadores da 15°DP (Gávea), que escutaram o pai da psicóloga, o dentista Roberto Tannhauser, na sede da delegacia, na manhã desta segunda-feira.

Após prestar depoimento, o pai da psicóloga não quis falar com a imprensa.

De acordo com a delegada Bárbara Lomba "o caso é um mistério e ainda não há nenhuma pista sobre o desaparecimento de Karen". Ainda segundo Lomba, outras pessoas já foram ouvidas.

As imagens do circuito interno do prédio onde a psicóloga morava estão sendo analisadas.

    Leia tudo sobre: psicóloga desaparecidagávea

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG