Poda de árvores foi a causa de apagão que afetou mais de 900 mil no Rio

Segundo Furnas, em razão do serviço, houve curto-circuito e linhas de transmissão que abastecem a capital foram desligadas

iG Rio de Janeiro |

Uma poda de árvores na localidade de Lídice, distrito de Rio Claro, cidade do interior do Estado do Rio de Janeiro, foi o que causou o apagão que atingiu quase 950 mil pessoas na manhã desta terça-feira (24) na capital fluminense e em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Leia também : Apagão atinge bairros do Rio e a Baixada Fluminense

Em nota, Furnas Centrais Elétricas informou que o serviço de poda de árvores provocou um curto-circuito em duas das linhas de transmissão que abastecem o Rio e a Baixada. Para evitar maiores danos, dois circuitos de 500kV tiveram que ser desligados.

Segundo a empresa, não houve danos aos equipamentos, as linhas de transmissão foram imediatamente liberadas para reenergização e o abastecimento foi prontamente restabelecido.

O apagão começou por volta das 10h30 desta terça-feira (24). No Rio, a falta de luz durou cerca de duas horas e atingiu principalmente bairros da zona norte. Já em Caxias, pelo menos uma hora.

Entre os bairros da zona norte carioca que foram afetados estão Ilha do Governador, Bonsucesso, Olaria, Vila da Penha, Cachambi, Quintino, Piedade e Inhaúma. A interrupção prejudicou cerca de 840 mil clientes da Light. Em Duque de Caxias, área de responsabilidade da Ampla, aconteceram problemas em Campos Elíseos, Saracuruna, Jardim Primavera, Figueira, Mauá e Parque Império, afetando 100 mil clientes.

No Rio de Janeiro, o problema no fornecimento de energia chegou a afetar o funcionamento do metrô. As doze estações localizadas entre Pavuna e Maria da Graça, na Linha 2, ficaram fechadas por 55 minutos. De acordo com a concessionária Metrô Rio, a situação foi normalizada e os passageiros estão embarcando nas composições.

A falta de luz também prejudicou o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), localizado na Ilha do Governador. De acordo com a Infraero, nenhum voo atrasou por causa da falha no fornecimento de energia, mas aconteceram oscilações de luz nos terminais e os geradores tiveram que ser utilizados.

O problema no fornecimento elétrico não poupou nem o secretário municipal do Rio de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Osório. No momento da falta de luz, ele estava no telefério do Complexo do Alemão. "Fiquei 20 minutos parado no bondinho, que funciona com geradores apenas para retirar passageiros", postou ele no Twitter.

    Leia tudo sobre: apagão Rio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG