Pane na Linha 1 do Metrô foi ocasionada por curto-circuito

Bombeiros chegaram a afirmar que uma pessoa teria caído ou se atirado nos trilhos; oito estações ficaram fechadas

Priscila Bessa e Bruna Fantti, iG Rio de Janeiro |

A Linha 1 do Metrô, entre as estações do Catete e Ipanema, na zona sul da cidade, ficou parada por cerca de 1h30 na noite desta quinta-feira (31) devido a uma queda de energia provocada por um curto-circuito nos trilhos da estação de Botafogo.

Inicialmente, bombeiros do quartel do Humaitá, afirmaram que uma pessoa teria caído ou se atirado nos trilhos da estação o que provocou uma descarga elétrica. No entanto, eles disseram que a informação foi passada ao quartel por pessoas que entraram em pânico.

A assessoria do Metrô Rio informou, em nota, que a energia foi restabelecida na via da Linha 1 e as estações reabertas. Ainda segundo a empresa, todos os passageiros que ficaram parados nos vagões durante a pane foram ressarcidos.

Pessoas passaram mal em vagões parados

O administrador Thiago Freitas, de 25 anos, estava em um dos vagões no momento da interrupção da via. Ele disse ao iG que, no momento em que os trens foram parados, algumas pessoas passaram mal e não conseguiram acionar o interfone para solicitar ajuda.

“Peguei o metrô na estação Uruguaiana. Por volta das 18h50, um pouco antes da estação do Flamengo, o vagão freou e apagaram as luzes do trem. Houve um aviso que teve uma queda de energia entre o Largo do Machado e o Cantagalo, mas que logo a situação seria normalizada. O vagão estava lotado e as pessoas começaram a sentar no chão. Ficou muito calor porque o ar condicionado está desligado".

O administrador também relatou como transcorreram os minutos em que ficaram parados. "Não houve mais informação do que estava acontecendo. Soubemos por telefone que alguém caiu nos trilhos na estação de Botafogo e, por isso, a energia foi desligada. Começamos a forçar as portas e conseguimos abrir para melhorar o calor, mas ninguém tentou sair porque não tem passarela neste ponto.  Algumas  pessoas ficaram sentadas na beirada da porta passando mal, chorando, muito nervosas”, disse.

No mesmo trecho, no momento da pane, estava o estudante de Direito Gabriel Itagiba, de 18 anos. Ele confirmou o relato de Freitas. "Estava entre as estações do Flamengo e Botafogo quando houve o incidente. Ficamos cerca de 40 minutos presos no vagão. Não tinha ventilação, nenhuma maneira de sair e nem como estabelecer comunicação com ninguém. Apertamos o botão de dois interfones e nenhum funcionou. Algumas pessoas começaram a desmaiar. Vi muita gente sendo carregada", disse. 

O estudante afirmou que, após 40 minutos, o trem voltou a andar e houve confusão. "Quando chegamos na estação houve correria. Médicos atendiam as pessoas em macas e vi muitos extintores de incêndio enfileirados. Acabei conseguindo seguir viagem até Ipanema. Isso tudo é um absurdo. Ainda por cima porque no sábado o metrô vai aumentar 30 centavos”.

A assessoria do Metrô informou que o sistema foi totalmente normalizado por volta de 20h.

    Leia tudo sobre: metrôacidente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG