Palhaços criticam políticos e pedem volta de bonde no Rio

Os palhaços precisam dos políticos para fazer piadas. O riso é fundamental para nossa saúde mental

Agência Brasil |

No Dia Internacional do Palhaço, comemorado hoje (10), dezenas de artistas do riso fizeram uma manifestação bem-humorada junto aos Arcos da Lapa, pedindo a volta do tradicional bondinho de Santa Teresa, e aproveitaram para criticar a classe política pelos escândalos frequentes. O ato fez parte do 10º Encontro Internacional de Palhaços Anjos do Picadeiro, que começou no último dia 5 e se encerra amanhã (11), com oficinas, debates e atividades circenses.

Leia também: Bonde tomba e deixa ao menos 5 mortos em Santa Teresa, no Rio

Divulgação
"Palhaceata" reúne dezenas de artistas do riso nos Arcos da Lapa

O palhaço espanhol Leo Bassi um dos organizadores do evento, explicou porque a classe escolheu a defesa do bondinho no encontro deste ano. “Os palhaços defendem humanidade e poesia nas cidades. Unir a luta para salvar o bonde e para salvar os palhaços é uma forma de sinergia perfeita. Santa Teresa sem o bonde não é Santa Teresa. O bonde significa simplicidade diante de um mundo mais tecnológico e isso é um símbolo de poesia, assim como são os palhaços”, disse Bassi.

Aos 60 anos de idade, ele vem de uma família que atua na profissão de palhaço desde 1840, atividade que é passada de pai para filho. Bassi começou aos sete anos no circo da família e atualmente atua principalmente em manifestações artísticas e shows de humor por toda a Europa. Mesmo com a crise econômica que atinge o continente europeu, ele não perde o humor.

“Ser palhaço é ser otimista. Todas as gerações sempre tiveram crises. Em nenhum momento existe paz total. Os palhaços precisam dos políticos para fazer piadas. O riso é fundamental para nossa saúde mental”, destacou Bassi.

O palhaço brasileiro Seu Flor, nome artístico de João Carlos Artigos, um dos coordenadores do encontro internacional Anjos do Picadeiro, explicou que o objetivo do encontro é a troca de informações e o debate sobre a profissão. “Hoje em dia no Brasil não existe uma escola que ensine a arte do palhaço. Ao longo dos 15 anos desde o primeiro Anjos do Picadeiro, temos discutido temas atuais e dado conta do papel do palhaço, que é ser arauto de seu tempo, em oposição aos poderes que massacram as relações humanas”.

Ele só perde parte do bom humor quando fala sobre a classe política. “Ao nos fazermos de bobo, evidenciamos o ridículo da sociedade. A partir desse diálogo, damos nossas alfinetadas. Uma das ferramentas do palhaço é o cinismo e as piadas de duplo sentido. Mas nós temos sofrido uma concorrência desleal, porque os políticos são mentirosos e cínicos ao extremo. O que eles fazem não tem graça nenhuma”, comparou o artista.

A diretora de comunicação social da Associação dos Moradores de Santa Teresa, Débora Lerrer, enfatizou que a comunidade não foi ouvida na escolha sobre o novo modelo de bonde para o bairro, que teve o sistema paralisado desde o dia 27 de agosto passado, quando um bonde descarrilou, causando a morte de cinco pessoas e deixando mais de 50 passageiros feridos.

“Nós não queremos que essa reforma do bonde passe por cima da vontade popular. O governo do estado fez um acordo com a Carris de Lisboa, sem levar em consideração um seminário técnico que organizamos, com o clube e o sindicato de engenharia. Podemos colocar o bonde para funcionar nos moldes tradicionais, com algumas modificações para aprimorar a segurança, de forma muito mais rápida e barata do que o governo apresentou”, assinalou Débora. Segundo ela, implantar os bondes com tecnologia da empresa portuguesa custará R$ 5 milhões, valor que pode ser cortado pela metade se os novos bondes forem feitos no Brasil.

    Leia tudo sobre: Palhaçospalhaceatasanta teresario de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG