Paciente que deveria ser transferida morre após hospital remover homônima

Hilda Oliveira dos Santos, de 75 anos, morreu após unidade transferir Hilda Oliveira, de 60 anos. Ambas estavam com AVC

iG Rio de Janeiro |

Uma paciente de 75 anos que deveria ser transferida de hospital morreu na madrugada da última terça-feira (21) no Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, depois que uma outra mulher, do mesmo nome e também internada na unidade, ter sido removida no lugar dela.

Segundo nota oficial da Prefeitura. Hilda Oliveira dos Santos, de 75 anos, deveria ser transferida para o Hospital Naval Marcílio Dias, no Lins de Vasconcelos, na zona norte da capital. No entanto, a equipe da unidade militar levou a paciente Hilda de Oliveira, de 60 anos.

As duas pacientes apresentavam o mesmo diagnóstico (Acidente Vascular Cerebral), eram da mesma raça e estavam internadas na sala amarela da emergência.

O comunicado da Prefeitura informou que arirá sindicância para apurar os fatos referentes à transferência.

Apesar do erro, o hospital de Nova Iguaçu ressalta que a transferência de Hilda de Oliveira, feita na terça-feira, não corroborou para a alteração ou agravamento do quadro clínico da paciente.

A paciente transferida retornou a esta unidade às 23h do mesmo dia e está internada no CTI desde então.

O iG esta mantendo contato com o Marcílio Dias para que a unidade dê a sua versão oficial sobre o fato.

    Leia tudo sobre: troca de nomesmortehospital

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG