No Rio, homenagem para Iemanjá garante o último ¿descarrego¿ do ano

Representantes da umbanda, do candomblé e simpatizantes oferecem barco de quatro metros com oferendas à ¿Rainha do Mar"

Flávia Salme, iG Rio de Janeiro |

A tradicional celebração de espíritas da umbanda, do candomblé e simpatizantes para Iemanjá, realizada a cada dia 29 de dezembro, no Rio, levou nesta quarta-feira centenas de fiéis à praia de Copacabana. Os participantes entoaram hinos de umbanda durante o cortejo, que ofereceu um barco de quatro metros de cumprimento para Iemanjá.

Luiz Gomes/Futura Press
Espíritas, simpatizantes, grupo afros, afoxé e filhos de Gandhy homenageiam Iemanjá na Praia de Copacabana, em busca de prosperidade

No sincretismo religioso, a divindade representa Nossa Senhora dos Navegantes. Para os devotos, Iemanjá é mãe da maioria dos orixás. Por isso, é saudada pelo grupo como aquela que protege a maternidade, o casamento e a família. Por essas características, é apontada como benevolente e sempre atenta ao bem-estar das pessoas.

Luiz Gomes/Futura Press
Ao fim do cortejo, os devotos promoveram a cerimônia da prosperidade. Umbandistas aproveitaram o público presente e realizaram consultas de caridade gratuitas
No evento “Sexto Barco de Iemanjá”, umbandistas e simpatizantes produziram uma embarcação de quatro metros em que colocaram as oferendas preferidas da orixá.

Segundo a crença em torno da orixá, a “Rainha do Mar” gosta da cor azul e de presentes em cor prata, como leques, caramujos, âncoras, conchas, luas moedas e búzios. Comidas também são oferecidas. Para Iemanjá, canjica e cocada brancas.

A festa, promovida pela Congregação Espírita Umbandista do Brasil (Ceub) é realizada há 60 anos no Rio. Embora os festejos se iniciem no Mercadão de Madureira, na zona norte, o cortejo com a imagem da divindade em direção à zona sul teve início no bairro do Estácio, no centro, de onde seguiu até a Praia de Copacabana.

De acordo com a presidente da Ceub, Fátima Damas, o objetivo foi realizar um ato litúrgico para as entidades “darem o último descarrego do ano e consultas de caridades gratuitas”. No fim do cortejo, os devotos se reúnem para participar da “cerimônia da prosperidade”.

    Leia tudo sobre: réveilloniemanjácortejoumbanda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG