“Não vamos recuar um milímetro”, diz Beltrame sobre UPP na Rocinha

Após a morte de PM, secretário diz que programa ainda está em implantação. Segundo ele, sem o Estado, o crime estaria presente

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou esta tarde, no Rio, que há dificuldades na implantação de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na Rocinha, na zona sul da capital, mas que a política é a opção do Estado contra a presença dos traficantes.

Leia também : PM é assassinado na favela da Rocinha

Na madrugada desta quarta-feira, o cabo Rodrigo Alves Cavalcante, 32 anos, foi morto com um tiro na Rocinha, após abordagem a um suspeito, que foi identificado como Edílson Tenório de Araújo.

“Não vamos recuar um milímetro. Tudo o que o inimigo quer é que mudemos a estratégia. Isso não vai acontecer em hipótese alguma. Temos motivos para ir em frente. Nosso plano tem uma avaliação nítida. Vocês achavam que o processo de pacificação de áreas abandonadas há décadas aconteceria sem nada (problema)? Quem diz isso é mentiroso”, afirmou Beltrame.

Segundo o secretário, a política ainda está em implantação.

“Não temos a vitória absoluta, a vitória está sendo construída. O programa de UPPs é de Estado, e pode ter problemas e não ser solução de todos os problemas, mas é absolutamente necessário”, disse. “Se o Estado não estiver presente, quem estará presente é o crime”, completou.

O secretário lembrou que a UPP ainda não está instalada na Rocinha e que a fase atual é a primeira, de consolidação.

“Contrariamos interesses de quem não estava acostumado, quem tinha os próprios tribunais. Nada justifica uma vida como a do policial, mas ao menos hoje se pode fazer o exame de local, as famílias podem fazer as honras dos entes queridos”, disse.

Segundo o secretário, não haverá vingança por parte dos PMs. “Ninguém vai trabalhar com gosto de sangue na boca.”

O chefe de Estado-Maior da PM, coronel Alberto Pinheiro Neto, afirmou que o patrulhamento na Rocinha é peculiar, tendo em vista os inúmeros becos, e que todas as modalidades de policiamento estão sendo aplicadas na favela: patrulhamento a pé, de motocicleta, em carros e a cavalo.

    Leia tudo sobre: tráficorocinhaUPP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG