Mulher de homem morto por PM que confundiu furadeira com arma será indenizada

Governo do Rio vai pagar pensão à viúva até maio de 2033

iG Rio de Janeiro |

O Governo do Estado do Rio de Janeiro vai pagar pensão à mulher de Hélio Barreira Ribeiro, morto em maio de 2010 por um soldado do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) que confundiu uma furadeira com uma submetralhadora. O decreto do governador Sérgio Cabral foi publicado nesta quinta-feira (27) no Diário Oficial.

Segundo o decreto, o governo também irá conceder uma verba reparatória por danos morais aos filhos, esposa e mãe de Hélio. Os valores não foram divulgados, mas o documento indica que a pensão deverá ser paga até 7 de maio de 2033. O valor retroativo, desde 19 de maio, data da morte da vítima, também será recebido pela viúva.

Tragédia

Hélio Barreira Ribeiro foi morto enquanto instalava um toldo no terraço de sua casa, no bairro do Andaraí, na zona norte do Rio. A residência está localizada na rua Ferreira Pontes, um dos acessos ao Morro do Andaraí, onde o Bope realizava uma operação para localizar traficantes do Morro do Borel que estaria escondidos na comunidade.

Por volta das 11h, um cabo do Bope confundiu a furadeira com uma submetralhadora Uzi e disparou contra o fiscal de supermercados a uma distância de aproximadamente 40 metros. A vítima foi atingida de frente e a bala atravessou o tórax.

Hélio chegou a ser encaminhado para o Hospital do Andaraí, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O fiscal utilizava uma furadeira elétrica com fio que mede cerca de 24 centímetros.

    Leia tudo sobre: indenizaçãopensãobopefuradeiraarma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG