Jogadores e artistas que serão indiciados compraram carros importados que foram apreendidos pela PF em "Operação Black Ops"

selo

Agentes foram até uma concessionária na Barra da Tijuca, suspeita de vender carros irregulares
Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Agentes foram até uma concessionária na Barra da Tijuca, suspeita de vender carros irregulares
O Ministério Público Federal (MPF) pedirá esta semana o indiciamento por contrabando de alguns dos jogadores e artistas que compraram os carros importados apreendidos pela Polícia Federal (PF) , na sexta-feira (7), durante a "Operação Black Ops". De acordo com o MPF, em alguns casos há evidências de que os clientes sabiam que os carros vendidos eram ilegais.

Entre os jogadores de futebol contam os nomes do atacante Emerson, do Corinthians, e Diguinho, do Fluminense. Todos negam as acusações. A importação de veículos usados é considerada contrabando pela legislação brasileira, mas os contrabandistas conseguiam a entrada dos carros como novos com a falsificação de documentos e pagamento de propinas nos portos do Recife, de Vitória e do Rio. A quadrilha atuava em 15 estados.

"Em diversas transações, existem elementos fartos nos autos que levam a conclusão de que o comprador do veículo sabia que o carro tinha origem ilegal. Chamaremos para prestar depoimento aqueles sobre os quais pairam dúvidas (sobre a inocência), mas em caso de indícios fortes os compradores serão processados", afirmou o procurador da República, Antônio Cabral. O MPF aguarda apenas a lista de apreensões durante a operação, que deverá ser fornecida pela PF e pela Receita Federal, para denunciar os compradores.

Em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, alguns clientes realizam mais de uma compra dos automóveis, cujo valor mínimo era R$ 200 mil. Alguns registraram os carros em nome de laranjas. Em uma das gravações, o cantor Belo é ameaçado por Haylton Escafura, contraventor e sócio de um de revendedora de veículos importados, por falta de pagamento de um dos carros que o artista comprou. Belo também nega, alegando que não possui carro importado.

De acordo com o MPF, o esquema só foi possível pela associação de Escafura com o israelense Yoran El Al, um dos homens mais procurados pela Interpol e pertencente à organização criminosa Família Abergil, máfia especializada em lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. O brasileiro continua foragido, mas o israelense foi preso sexta-feira pela PF. O pai de Haylton, o bicheiro José Caruzzo Escafura, o Piruinha, teve a fiança estabelecida em R$ 100 mil e deve efetuar o pagamento até hoje para não ser preso. Pai e filho atuavam na exploração de máquinas caça-níqueis, algumas delas também em sociedade com o israelense.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.