Ministério Público vai investigar acidente com idosa em parque

Órgão requereu o resultado da apuração feita pelo CREA-RJ e Defesa Civil

Daniel Gonçalves, especial para o iG |

O Ministério Público (MP) Estadual do Rio de Janeiro instaurou ontem inquérito civil para apurar possíveis problemas de falta de manutenção e conservação no parque Terra Encantada, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense. No último sábado (19) uma idosa de 61 anos morreu após cair de uma montanha-russa. Segundo nota da assessoria de imprensa do órgão, o promotor de Justiça Carlos Andresano Moreira afirmou que “o Ministério Público já vinha investigando fatos análogos ao ocorrido recentemente. O acidente reforçou a convicção de que existem graves falhas na prestação do serviço. Em virtude disto, o inquérito está sendo instaurado para apurar as devidas responsabilidades”.

Ainda de acordo com a nota, o MP emitiu um oficio ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (CREA-RJ), para que seja informado o resultado da apuração sobre o acidente após a interdição do parque. Andresano requereu também à Defesa Civil Estadual o encaminhamento do auto de interdição e outros documentos referentes à fiscalização efetuada.

Depoimentos

O diretor do parque, Marcos Vinicius Santos, afirmou em depoimento na Delegacia da Barra da Tijuca, na última terça-feira (22), que o acidente foi uma “fatalidade” e que a vítima pode ter desmaiado momentos antes da queda, segundo informou o delegado Rafael Wilis. Ontem, O engenheiro responsável pelos brinquedos foi ouvido, assim como a filha da vítima, Iguaciara Lemos Ribeiro, que prestou depoimento em casa.

O delegado Rafael Wilis disse que os possíveis culpados pela morte da idosa serão indiciados por homicídio culposo. Ele afirmou que mesmo que a vítima tenha desmaiado isso não justifica o acidente.

Denúncias antigas

O Terra Encantada já havia sido vistoriado pela Defesa Civil Municipal em fevereiro de 2009, após denúncias referentes aos brinquedos existentes no local. Contudo, na ocasião nenhuma irregularidade foi encontrada. De acordo com a Defesa Civil, durante esta inspeção, os técnicos constataram que a empresa responsável pelo funcionamento do parque cumpria os requisitos legais exigidos pelo Corpo de Bombeiros.

O CREA-RJ informou que em fevereiro deste ano foi feita uma fiscalização no parque a pedido do Ministério Público Estadual, que recebeu uma denúncia de falta de manutenção dos brinquedos. Novamente nenhuma irregularidade foi encontrada. Em agosto de 2005, o vendedor Franck Ribeiro Sousa, de 28 anos, despencou de uma montanha-russa e foi parar na plataforma de embarque, sofrendo traumatismo craniano. Ele sobreviveu a queda.

    Leia tudo sobre: rio de janeiroacidentemontanha-russa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG