Ministério Público denuncia traficante Nem por invasão a hotel no Rio

Criminoso apontado como chefe da quadrilha que domina a Rocinha teria comandado ação que fez 35 pessoas reféns

iG Rio de Janeiro |

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP) ofereceu denuncia à Justiça, na terça-feira (31), contra o criminoso Antônio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem, por associação para o tráfico e posse de arma de fogo de uso restrito. Outros nove bandidos que participaram do tiroteio nas ruas do bairro de São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro, e invadiram o Hotel Intercontinental, em 21 de agosto, foram denunciados pelos mesmos crimes, além de cárcere privado e resistência.

De acordo com a denúncia oferecida pela promotora Taciana Dantas Carpilovsky, os envolvidos seguiam em grande comboio do Morro do Vidigal, onde tinham participado de uma festa, para a Rocinha. Eles cruzaram com viaturas da Polícia Militar e abriram fogo. Na fuga, invadiram o hotel e fizeram 35 pessoas reféns.

Um menor foi apreendido e nove bandidos foram presos. São eles: Alan Francisco da Silva, Vinícius Gomes da Silva, Victor Gomes Eloi, Washington de Jesus Andrade Paz, Rogério Avelino da Silva, Davi Gomes de Oliveira, Italo de Jesus Campos, Jackson Nascimento Gomes da Silva e Tecio Martins da Silva.

Uma mulher, identificada como Adriana Medeiros, foi morta durante a troca de tiros. A polícia diz que ela era a gerente financeira do tráfico na Rocinha. Quatro policiais ficaram feridos na ação, um deles em estado grave.

O criminoso Nem conseguiu fugir. Ele é apontado pela polícia como chefe de uma organização criminosa que domina a comunidade da Rocinha. Entre as armas apreendidas e citadas na denúncia estão granadas, munições, carregadores, pistolas e fuzis.

    Leia tudo sobre: Invasãohotelrocinhanem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG