'Minha neta deu a vida pela amiguinha'

Maria Rocha conta como Bianca, atingida por tiro na cabeça, tentou proteger L., que se fez de morta para garantir a própria vida

Priscilla Bessa, iG Rio de Janeiro | 07/04/2011 16:23

Compartilhar:

Foto: Arquivo Pessoal Ampliar

Bianca teria morrido ao se colocar na frente de amiga da escola em Realengo

Maria José dos Reis Rocha, de 59 anos, era uma avó orgulhosa de duas alunas da 7ª Série da Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Agora, é uma avó desolada. As suas duas netas, Bianca e Brenda, gêmeas de 13 anos, foram baleadas pelo atirador que entrou no colégio na manhã desta quinta-feira. Brenda passa por cirurgia, Bianca não resistiu. Ela teria morrido tentando proteger a amiga L., que se fingiu de morta para garantir a vida.

A avó de Bianca soube por L. o que aconteceu na sala de aula. Contou que Bianca se colocou à sua frente e acabou sendo baleada. Os pais de L. a levaram para um hospital, de acordo com vizinhos que estavam no local. O iG foi até a casa da menina, também de 13 anos, mas não encontrou ninguém. Segundo vizinhos, L. está em estado de choque. Uma das vizinhas, Alessandra Monique Souza Guimarães, disse ter tentado abraçar a menina, quando ela se encolheu tremendo. Afirmou que L. contou que o atirador foi conferir se tinha matado todas as meninas e por isso ela, e outras, se fizeram de mortas.

Foto: Arquivo Pessoal Ampliar

Brenda (à direita, de amarelo) e Bianca (à esquerda, de preto) em Natal com a família

Maria pouco entendeu quando a mãe de Brenda e Bianca, Renata, entrou em casa, pegou documentos e saiu. Paraplégica, ela se arriscou em um mototáxi para chegar ao Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), onde Brenda, atingida no braço, seria submetida a uma cirurgia. “Ela ficou tão desesperada que pegou o mototáxi. A mãe delas está em estado de choque. Na hora que chegou em casa, pegou os documentos e saiu. Não disse nada. Graças a Deus eu tenho bons vizinhos que tomaram todo o cuidado para me dar a notícia, porque tenho duas pontes de safena. A única informação sobre a Brenda é que estaria reagindo bem à cirurgia”, contou.

A senhora, emocionada, lembrou que as duas sonhavam como seria uma festa de 15 anos para gêmeas. E disse que Bianca morreu para salvar uma amiga da escola. L. teria fingido a própria morte para escapar da fúria do atirador, que acabara de atingir sua amiga na cabeça.

Foto: Arquivo Pessoal Ampliar

Brenda, atingida no braço, passa por cirurgia no Into

“A Bianca chegou a ser levada para o hospital, mas pela informação que tivemos, ela morreu na hora. Era linda, gostava muito de ir à escola, tinha o cabelo comprido, cuidava com carinho, ontem mesmo foi a uma festinha. As duas eram bem diferentes fisicamente. Não sei por qual razão ele atirou em mais meninas do que meninos. A Bianca morreu protegendo uma coleguinha, a L., que mora aqui perto. Se colocou à frente dela e por isso foi atingida. A L. se fez de morta e por isso sobreviveu. Ficou coberta com o sangue da Bianca. A minha neta deu a vida pela amiguinha”, disse Maria, antes de falar sobre o assassino: “Ele só pode estar louco e não tem fé em Deus. As crianças é que pagam? Tiraram um pedaço de mim”.

Revoltada, Maria pediu Justiça. O atirador que matou diversas crianças e feriu outras na escola em Realengo morreu no confronto com um policial que o interceptou na escada do colégio, quando se dirigia a outro andar, possivelmente para fazer novas vítimas. “Agora eu quero Justiça, coisa que esse país não tem. É uma pouca vergonha como tudo aconteceu. O que houve com as minhas netas vai acontecer com o filho dos outros”.
 

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo