Massacre de Realengo: Um ano depois, escola tenta superar marcas da tragédia

Unidade passou por obras e teve a segurança reforçada. “Algumas pessoas ficaram e precisam continuar suas vidas”, diz o diretor

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

George Magaraia
Nova fachada da Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo
Era para ser uma quinta-feira como outra qualquer. As aulas na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, zona oeste do Rio, tinham começado às 7h30, como de costume, e todos seus alunos estavam nas salas. Uma hora depois, por volta das 8h30, a calmaria foi interrompida. Com o pretexto de que iria para uma palestra com ex-alunos, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou no colégio, seguiu para duas classes localizadas no primeiro andar do prédio, matou a tiros 12 crianças, sendo 10 meninas e dois meninos, e deixou outras 12 feridas.

Leia também: Ferida no massacre de Realengo, Thayane tenta se adaptar à nova realidade

George Magaraia
"Lutamos para recuperar o orgulho das crianças que estudam nessa escola", diz Luís Marduk
Quase um ano depois do massacre, ocorrido no dia 7 de abril de 2011, a Escola Municipal Tasso da Silveira está diferente, com uma estrutura moderna comparável à de colégios particulares. A unidade ganhou um prédio anexo, que possui sala de informática, biblioteca, laboratório e auditório. As salas do prédio original foram reformadas, climatizadas, passaram a contar com internet sem fio e receberam novos quadros e carteiras. Na fachada principal um imenso mosaico com azulejos pintados forma a mensagem “Escola agora”, como num chamado para superar o passado.

Relembre o massacre de Realengo

“Buscamos melhorar a qualidade do serviço oferecido aos alunos e, com isso, compensar de alguma forma a grande perda que tivemos. Lutamos para recuperar alguma coisa, nem que seja o orgulho das crianças que estudam nessa escola”, disse o diretor da Tasso da Silveira, Luís Marduk, ao iG . “Continuamos nossa batalha diária para recuperar a rotina. Todas as nossas ações são voltadas para a superação”, completou.

Mãe de vítima de Realengo, um ano depois: “Com o tempo vai piorando”

As salas de aula onde ocorreram as mortes são os locais da nova Tasso da Silveira onde o sentido de superação, de seguir em frente, se faz mais presente. A primeira classe em que Wellington entrou e vitimou quatro meninas não existe mais. Com as obras, orçadas em R$ 9 milhões, o local deu lugar a um banheiro e um corredor que faz ligação ao prédio anexo. A segunda sala visitada pelo assassino, onde oito crianças perderam a vida, virou um espaço destinado a alunos com necessidades especiais.

George Magaraia
Imagem feita no mesmo ângulo da câmera de segurança que registrou o dia do massacre
Segurança

George Magaraia
Um guarda municipal fica de prontidão na Escola Municipal Tasso da Silveira
A questão da segurança também foi focada no pacote de mudanças. Para começar, a entrada da escola mudou de lugar e foi cercada por grades. O novo portão de acesso permanece fechado e só é aberto por uma funcionária que exerce a função de porteira. Todos os visitantes recebem um crachá de identificação ao entrar e um guarda municipal fica de prontidão na instituição de ensino. As câmeras de segurança, que já existiam na ocasião do massacre, permanecem.

Relembre crimes famosos do Brasil

As transformações na escola parecem ter surtido efeito. Se em 2011, logo após a tragédia, cerca de 20 alunos assustados com o episódio pediram transferência para outra escola, neste ano, o número de estudantes aumentou. De acordo com a direção, a unidade tem atualmente cerca de 1.160 alunos. No início do ano passado, não passava de 1.100. Alguns dos que tinham pedido transferência no meio do ano chegaram a voltar. Entre os professores, apenas uma segue afastada. Ela estava licenciada por causa do massacre e acabou engravidando no período.

Recomeço

George Magaraia
Mural feito com azulejos pintados por alunos contém homenagens e mensagens

Em frente à escola, a reportagem do iG ouviu uma aluna que foi alvejada por seis tiros disparados por Wellington e sobreviveu. Ela foi uma das que desistiram de estudar na Escola Municipal Tasso da Silveira após a tragédia, mas que retornaram em 2012. “Voltei porque no outro colégio não me sentia bem. Aqui tenho meus amigos, mas mesmo assim foi difícil voltar às aulas. O visual mudou, mas ainda reconheço a escola antiga”, disse ela, com um olhar triste.

George Magaraia
A Escola Municipal Tasso da Silveira tem aproximadamente 1.160 alunos, segundo a direção
“Preferia a escola como era, sem que a tragédia tivesse ocorrido. As mudanças ajudam a superar um pouco o que ocorreu, mas sabemos que a obra só foi feita por causa da tragédia”, opinou outra aluna que estudava na primeira sala que Wellington entrou. No momento dos disparos, ela havia ido à secretaria da escola ligar para a mãe porque estava se sentindo mal.

Leia as notícias do massacre em Realengo

Para Marduk, as mudanças promovidas não têm a intenção de fazer esquecer e nem de negar o que houve. “Não queremos encobrir as falhas que aconteceram. Seria ingênuo pensar que a reforma ocorreu para apagar a tragédia. Um episódio como aquele não tem como esquecer. Posso morrer com 120 anos ou ter Alzheimer que não vou esquecer o dia 7 de abril de 2011. Há a intenção de ajudar na superação porque há pessoas que ficaram e precisam continuar suas vidas”. Mesmo com as obras finalizadas, a Escola Municipal Tasso da Silveira segue em seu processo de reconstrução. Não apenas visual, mas da autoestima e da confiança de seus integrantes.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG