Marinha suspende treinamento para Haiti e manda 500 fuzileiros para o Rio

Tropa de elite naval que participará da Minustah ficará de prontidão para possível emprego em ações contra ataques a criminosos

iG Rio de Janeiro |

A Marinha suspendeu o treinamento de 500 homens do Corpo de Fuzileiros Navais que se preparam para participar na Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti), em Itaoca (ES), e determinou o retorno imediato do contingente para o Rio.

O iG apurou que a ordem, da Divisão Anfíbia da Marinha, tem como objetivo deixar os militares de prontidão para auxiliar na ação de combate a traficantes no Rio. O grupo que chega ao Rio no início desta tarde é do 1º Batalhão de Fuzileiros Navais, localizado na Ilha do Governador, e irá ao Haiti em janeiro.

A informação inicial dos militares é de que a tropa será empregada em situação de combate real contra traficantes no Rio, mas a Marinha e a Secretaria de Segurança não confirmam isso. “O treinamento vai ser real”, disse ao iG um oficial da Marinha. O governo do Rio e a Marinha vêm afirmando que o apoio será apenas logístico e com material.

O treinamento dos fuzileiros navais só acabaria amanhã e foi suspenso. Os militares saíram de Itaoca (ES) no início da manhã desta quinta-feira.

A Marinha emprestou 14 veículos blindados – 6 Piranhas (sobre rodas), quatro M-113 e quatro Clanfs (Carro Lagarta Anfíbio) –, à Polícia Militar nesta manhã, a partir de pedido de auxílio do governador do Estado, Sérgio Cabral. Além dos blindados, conduzidos por militares da Marinha, o acordo prevê empréstimo de armas, munições e óculos de visão noturna para os policiais do Bope.

Neste momento, dois pelotões de fuzileiros navais, com 80 homens, apóiam policiais do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) na operação na Vila Cruzeiro.

    Leia tudo sobre: Marinhafuzileiros navaistreinamentosuspendeRio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG