Marcelinho Niterói foi morto após atirar em helicóptero da polícia, diz secretaria

No confronto que matou o braço-direito de Beira-Mar, um outro traficante morreu e dois ficaram feridos

iG Rio de Janeiro |

Bruno Gonzalez/Agência O Globo
Fotos de Marcelinho Niterói que foram apreendidas com o bandido quando ele foi morto
A Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro informou na tarde desta quarta-feira (2) que o braço-direito de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, o traficante Marcelo da Silva Leandro, o Marcelinho Niterói, foi morto após atirar em um dos helicópteros da Polícia Civil que sobrevoava a favela Parque União, no Complexo da Maré, na zona norte, na noite da última terça-feira (1º).

Leia também : Complexo da Maré, agora ocupado pelo Bope, virou QG de Beira-Mar no Rio

De acordo com a pasta, um outro traficante também foi morto no confronto e dois ficaram feridos. Com os bandidos, foram apreendidas duas pistolas, 3,5 kg de cocaína e R$ 20.205 em espécie.

Niterói tinha uma carteira de identidade falsa com o nome de Luis dos Santos Vicente.

O homem de confiança de Beira-Mar ainda chegou a ser levado para o Hospital Geral de Bonsucesso, na zona norte, mas não resisitu aos ferimentos.

Leia também : Braço-direito de Beira-Mar é morto no Rio

A morte de Niterói ocorreu quatro dias após o iG revelar que ele havia transformado a favela Parque União em um entreposto de drogas e armas para a quadrilha de Beira-Mar, atualmente preso na penitenciária federal de Mossoró (RN).

A PF (Polícia Federal) montou uma operação na noite de ontem para capturar o bandido. O Bope (Batalhão de Operações Especiais da PM) e a Core (Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil) deram apoio. Dois helicópteros foram usados.

O corpo de Niterói será enterrado na manhã de quinta-feira (3) em um cemitério Tanque do Anil, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG