Líder comunitário que aparece em vídeo negociando fuzil com Nem é denunciado

William de Oliveira foi acusado de associação para o tráfico de drogas e compra e venda ilegal de armas de fogo

iG Rio de Janeiro |

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro denunciou à Justiça na última segunda-feira (5) o líder comunitário da favela da Rocinha, na zona sul, William de Oliveira, preso na última sexta-feira (2) após ser flagrado em um vídeo supostamente negociando a venda de um fuzil com o chefe do tráfico na comunidade, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem.

Leia também : Vídeo mostra líder comunitário da Rocinha em uma suposta venda de fuzil

Além de William, foram denunciados também o próprio Nem e Alexandre Leopoldino Pereira da Silva, ex-funcionário da Casa Civil do governo estadual, que também aparece no vídeo. Os três são acusados do crime de associação para o tráfico de drogas e compra e venda ilegal de arma de fogo de uso restrito. A Promotoria também requereu o pedido de prisão preventiva dos denunciados. A Justiça aceitou a denúncia.

De acordo com o Ministério Público, a denúncia teve por base imagens gravadas em um DVD, apreendido pela Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) em incursão realizada na favela da Rocinha, a partir da ocupação da comunidade pelas Forças de Segurança.

Leia também : Suposto negociador de fuzil com Nem trabalhava na Casa Civil estadual

As imagens mostram William e Alexandre reunidos com Nem na “Cachopa”, local onde a quadrilha atuante na Rocinha costumava se encontrar para tratar de assuntos relativos à atividade criminosa. De acordo com a denúncia, as imagens gravadas em data não precisada – entre os meses de janeiro de 2010 e novembro de 2011 – identificam Alexandre manuseando com desenvoltura um fuzil, que é mostrado a Nem. Em seguida, o traficante entrega grande quantidade de dinheiro a Alexandre e William, visto na gravação recebendo sua parte e conferindo as notas.

Para o promotor de Justiça Gustavo Adolfo Dutra de Almeida, subscritor da ação, William e Alexandre intermediaram a venda de armamento ao cederem uma arma de fogo de uso restrito ao traficante, que a adquiriu para integrar o arsenal da quadrilha da qual era líder.

Leia também : Prisão de William expõe proximidade do tráfico com lideranças na Rocinha

Ainda segundo a denúncia, William e Alexandre associaram-se ao traficante, desempenhando o papel de braço político de Nem, por serem pessoas representativas na comunidade e influentes junto aos moradores.

Além de terem exercido, respectivamente, os cargos de presidente e vice-presidente da União Pró Melhoramentos dos Moradores da Rocinha, William foi candidato ao cargo de deputado estadual na eleição de 2010, tendo Alexandre como coordenador-geral de sua campanha. Era também funcionário do gabinete da vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB).

A denúncia aponta que “ambos os denunciados recebiam pagamento em dinheiro, além de outras contribuições financeiras, sempre originadas do comércio de entorpecentes e que, em determinada ocasião, se destinaram a fundo de campanha política de William de Oliveira”.

Assista o vídeo:

    Leia tudo sobre: rocinhawilliam de oliveirafuzil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG