Justiça quebra sigilo telefônico de jovem suspeita de matar empresário em motel

Verônica Verone, de 18 anos, está presa. Ela confessou o crime

iG Rio de Janeiro |

Hélio Motta
Verônica é acompanhada por policiais durante a reconstituição da morte em motel
O juiz Peterson Barroso Simão, da 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, em Niterói, autorizou a quebra do sigilo telefônico de seis linhas telefônicas móveis da estudante Verônica Verone de Paiva, de 18 anos, suspeita de matar o empresário Fábio Gabriel Rodrigues, de 33 anos, no último dia 14, em um motel em Niterói.

Ele determinou que as operadores informem, em 72 horas, o nome e CPF de cada titular dos respectivos números, quais foram as chamadas ou chamadores no período entre 1º de setembro do ano passado  até o último dia 18. A decisão atendeu a requerimento feito pela polícia, com manifestação favorável do Ministério Público.

Verônica Verone confessou ter matado o empresário ao estrangulá-lo com um cinto. Ela está presa desde o dia 16. Foi indiciada pela prática dos delitos de homicídio consumado e tentativa de ocultação de cadáver.

Para o magistrado, a medida vai complementar os trabalhos de investigação. “Esta medida também visa a trazer outros elementos esclarecedores ao fato e sanar algumas contradições na confrontação dos depoimentos até agora colhidos que geraram distorções”, destacou.

Ele disse ainda que “de forma trágica e incomum, a violência de dimensão epidêmica também atingiu o ponto alto do relacionamento humano, aquele decorrente do chamado amor. Por isso, todos os fatos precisam ser exaustivamente pesados, investigados e apurados”. A decisão foi proferida na última quarta-feira, dia 18.

Reconstituição

No último sábado (21), a polícia realizou a reconstituição do crime com a participação da jovem. Durante a ação, a irmã do empresário disse que Verônica matou Fábio porque, uma semana antes do crime, teria lhe visto com outra mulher.

Um laudo preliminar não indicou a presença de sinais de estrangulamento no corpo de empresário. A polícia aguarda o exame que vai identificar a causa da morte. A hipótese de envenenamento é investigada.

Legítima defesa

A jovem, em depoimento, teria dito que estrangulou o empresário sob alegação de que ele tentou estuprá-la.

O advogado de Verônica, no entanto, disse que não houve legítima defesa. Segundo ele, a jovem teria sofrido um abuso sexual quando tinha oito anos de idade e, quando o empresário tentou fazer sexo com ela no motel, a estudante teria lembrado do antigo agressor e estrangulado Fábio.

Agência O Globo
Verônica Verone e o empresário Fábio Gabriel
O relacionamento entre Fábio e Verônica teria começado no final do ano passado. Na ocasião, o empresário era casado. Em dezembro, segundo a irmã da vítima, a jovem de 18 anos ligou para a mulher de Fábio e revelou que estava tendo um caso com seu marido.

Com esse fato, o casamento entrou em crise e eles se separaram. Meses depois, o casal se reconciliou, despertando ciúmes em Verônica. A jovem teria voltado a ligar para a mulher de Fábio só que desta vez fazendo ameaças aos filhos do empresário, uma menina de 7 anos e um menino de 4 anos.

De acordo com a irmã do empresário assassinado, amigos a alertaram para não se expor muito porque a jovem de 18 anos teria ligação com traficantes. Segundo ela, neste sábado, durante a reconstituição do crime, um carro parou ao lado do seu veículo e nele estavam a irmã de Verônica e um homem, que anotou sua placa.

    Leia tudo sobre: verônica veronecrimeniteroi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG