Justiça Militar não foi comunicada da prisão de 439 bombeiros

Segundo TJ-RJ, prazo para comunicar prisões em flagrante é de 24 horas

iG Rio de Janeiro |

Agência Estado
Bombeiros acamparam em frente da sede da Assembleia Legislativa do Rio
A Auditoria Militar do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) ainda não foi comunicada da prisão de 439 bombeiros acusados de terem invadido o Quartel Central da corporação na noite da última sexta-feira (3).

Segundo a assessoria de imprensa do TJ-RJ, de acordo com o Código Penal Militar, o prazo para a comunicação à Justiça de prisões em flagrante é de 24 horas. Os bombeiros foram presos no sábado (4). Esgotado o tempo para a comunicação, a prisão passa a ser ilegal e os prejudicados podem requerer o pedido de liberdade, de acordo com o TJ. A decisão de prender os bombeiros foi do próprio governo estadual.

Após a invasão ao quartel central e várias horas de negociação, o Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar) invadiu a unidade. Houve confronto e bombas de efeito moral foram atiradas. Os bombeiros se entregaram e foram levados para um quartel da corporação em Jurujuba, em Niterói.

Cerca de 30 homens do Corpo de Bombeiros passaram a madrugada desta segunda-feira (6) acampados em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), em mais um ato de protesto.

André Teixeira/Agência O Globo
Na última sexta-feira, os manifestantes forçaram o portão principal do Quartel Central para entrar
A categoria, que reivindica aumento do piso salarial dos atuais R$ 950 para R$ 2 mil e melhores condições de trabalho, também pede a libertação dos 439 militares

O secretário estadual da Casa Civil, Regis Fichtner , disse hoje que as conversas com os bombeiros foram encerradas após o episódio no quartel.

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, chamou de "vândalos e irresponsáveis" os bombeiros que invadiram a unidade.


    Leia tudo sobre: invasãobombeirosquartel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG