Carlos da Cruz Sampaio Junior chegou a dar aulas de tiro e trabalhar na Secretaria de Estado de Segurança

selo

A 29ª Vara Criminal do Rio de Janeiro deferiu na quinta-feira o pedido de liberdade provisória de Carlos da Cruz Sampaio Junior, que fingiu ser tenente coronel da reserva do Exército por três meses. Ele foi preso em outubro durante uma investigação interna de todos os novos funcionários do órgão.

Cruz chegou a exercer a função de coordenador de uma subsecretaria da Secretaria de Estado de Segurança, comandando operações e dando aulas de tiro. Ele é acusado pelo Ministério Público estadual pelos crimes de falsa identidade e porte ilegal de arma de fogo. Por ser filho de militar, Cruz teve facilidade para falsificar os documentos que apresentou quando foi contratado.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), a juíza Maria Tereza Donatti deu parecer favorável ao pedido da defesa porque na hipótese de condenação, é provável a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.