Juiz nega prisão preventiva de PMs envolvidos em acidente no RJ

PM pediu prisão preventiva oficiais que teriam recebido propina para desfazer local do acidente que matou Rafael Mascarenhas

iG Rio de Janeiro |

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou na manhã deste sábado o pedido de prisão preventiva dos policiais militares acusados de liberar e exigir propina de Rafael Bussamra, acusado de ter atropelado e matado o filho da atriz Cissa Guimarães, o músico e skatista Rafael Mascarenhas. A decisão do juiz Alberto Fraga foi confirmada pelo plantão judicial do Tribunal.

O comandante-geral da PM do Rio de Janeiro, coronel Mário Sérgio de Brito Duarte, determinou no início da noite desta sexta-feira (23) a prisão administrativa do sargento Marcelo Bigon e do cabo Marcelo Leal de Souza Martins , do 23ºBPM (Leblon).

A decisão de pedir a prisão foi motivada porque, segundo o depoimento de Roberto Bussamra, pai de jovem que dirigia o carro que atropelou Mascarenhas, "o sargento Marcelo Leal de Souza Martins e o cabo Marcelo Bigon exigiram R$ 10 mil para liberar o carro avariado e sem placa e ainda desfazerem o local do acidente". Roberto Bussamra disse ainda que "recebeu ameaças dos policiais". Horas depois do acidente, na manhã de terça-feira (20), Roberto disse ter entregue R$ 1 mil aos policiais.

Apesar de terem a prisão preventiva negada pela Justiça, os dois policiais ficarão sob prisão administrativa. "Será aberto inquérito policial-militar e os dois passarão por um conselho de disciplina. Os dois policiais deverão ser expulsos da corporação", informou a nota da Corregedoria da PM do Rio.

Propina

Roberto Bussamra, pai de Rafael, afirmou na última sexta-feira, em depoimento na 15ª Delegacia de Polícia, na Gávea, que os policiais militares que abordaram seu filho na saída do túnel onde aconteceu o atropelamento que matou o filho da atriz Cissa Guimarães, Rafael Mascarenhas, exigiram R$ 10 mil para que ele não fosse conduzido à delegacia. Como o jovem não tinha aquele dinheiro na hora, combinaram que o pagamento seria feito na manhã daquele dia, no centro do Rio.

Roberto inicialmente teria entregue apenas R$ 1 mil aos policiais, quando recebeu uma ligação da esposa dizendo que a pessoa atropelada havia morrido e era filho da atriz Cissa Guimarães. Ao saber da morte, não entregou o restante do dinheiro aos policiais, que foram embora.

Imagens gravadas na saída do túnel mostram os policiais liberando o motorista, logo após o acidente. O iG revelou na última quinta-feira que o sargento Marcelo Martins e o Cabo Marcelo Bigon abordaram o Siena preto que atropelou o músico por sete minutos e sete segundos , antes de liberarem Rafael Bussamra e o carro, que tinha marcas evidentes de uma colisão na parte dianteira esquerda. A viatura policial ficou parada atrás do Siena por esse período, enquanto Rafael aguardava socorro.

    Leia tudo sobre: Cissa GuimarãesfilhoPMcrimepropina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG