Jovem que morreu em queda de parapente pretendia voar de asa delta

Informação foi divulgada em nota enviada pela assessoria de imprensa do ator Fabrício Boliveira, irmão da vítima

iG Rio de Janeiro |

Uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do ator Fabrício Boliveira na tarde desta segunda-feira (26) revela que sua irmã, Priscila Graziela Pereira, de 24 anos, que morreu ontem após a queda de um parapente na zona sul do Rio de Janeiro, pretendia voar de asa delta antes do acidente.

Leia também : Polícia apura se houve homicídio culposo em morte de jovem que caiu de parapente

Entretanto, de acordo com o comunicado, em razão do seu peso (75 kg), os instrutores sugeriram que Priscila saltasse de parapente. Confira a nota na íntegra.

Em nome do ator Fabricio Boliveira, agradecemos as inúmeras manifestaç:es de carinho e apaio de fãs, amigos e colegas de profissão prestadas desde ontem após o acidente fatal que envolveu sua irmã Priscila Boliveira, de 24 anos.

A jovem era nutricionista e estava passando férias com o irmão no Rio de Janeiro.
O corpo deve ser velado amanhã à tarde em sua cidade natal, Salvador.

Hoje, durante todo o dia, Fabricio esteve com seus pais que chegaram à cidade pela manhã, e estão bastante abalados com o fato. Ele pede compreensão de todos ao se manter reservado, preferindo não dar maiores declarações nesse momento.

Com o intuito de esclarecer a imprensa sobre os verdadeiros dados do triste ocorrido, segue uma síntese do acidente:

Priscila pretendia saltar de asa delta na tarde do dia 25 passado. Devido ao seu peso (em torno de 75kg), os instrutores do local sugeriram que ela optasse pelo salto de parapente, por ser mais seguro nesses casos. Fato que ela acatou.

Com a demora na chegada da nutricionista no local de aterrissagem dos parapentes (praia de São Conrado), Fabricio e amigas que acompanhavam seu salto, começaram a se preocupar. Poucos minutos depois um desconhecido veio avisar que havia, a alguns metros dali, um acidente próximo ao posto 13 da mesma praia.

O ator chegou até o local de carro e se deparou com a imagem do corpo da irmã estendido na areia. No local já haviam policiamento, ambulâncias e muitos curiosos à volta.

Todos os equipamentos de vôo duplo normalmente possuem uma câmera filmadora acoplada para registro dos saltos. Nesse caso, a tal câmera ainda não foi encontrada, o que tem dificultado as investigações.

As amigas da vítima, que acompanharam tudo e inclusive filmaram sua decolagem na rampa da Pedra da Gávea, prestaram depoimento hoje cedo na 15 DP.

É isso que sabemos até agora. O ator e sua família aguardam os resultados da perícia que já está em andamento.

    Leia tudo sobre: acidenteparapenteRio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG