Incêndio na Cidade do Samba é controlado

Barracões da Portela, Grande Rio e União da Ilha foram atingidos pelas chamas

Anderson Dezan e Fábio Grellet, iG Rio de Janeiro |

Foi controlado por volta das 11h20 o incêndio que atingiu na manhã desta segunda-feira (7) a Cidade do Samba, no bairro da Gamboa, na zona portuária do Rio de Janeiro.

Cerca de 120 bombeiros de sete quartéis estão no local e já realizam o trabalho de rescaldo. Trinta e nove viaturas da corporação dão suporte à ação.

Segundo o Corpo de Bombeiros, por volta das 7h15, quatro barracões foram atingidos pelas chamas, entre eles os das escolas de samba Portela, Grande Rio e União da Ilha. Ainda não há informações sobre o que teria ocasionado o incidente.

De acordo com o chefe de alegorias da União da Ilha, Bernard Basílio, o incêndio gerou um clima de pânico na Cidade do Samba. “Havia chegado ao barracão para trabalhar quando ouvi gritos alertando sobre o fogo. Não deu tempo de pensar em nada, só correr”, relatou.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, um homem, de 30 anos, proveniente do incêndio deu entrada no Hospital Municipal Souza Aguiar. A vítima, cuja identidade não foi revelada, teria inalado muita fumaça, mas está lúcida. O homem ficará no hospital em observação.

Como as escolas utilizam materiais altamente inflamáveis em seus carros, esculturas e fantasias, como papelões, papéis e madeiras, as chamas se alastraram rapidamente e uma gigantesca nuvem negra cobriu a zona portuária do Rio, sendo vista de longe.

Segundo dirigentes da Liga das Escolas de Samba (Liesa), cada uma das agremiações investe todos os anos cerca de R$ 7 milhões para preparar o desfile do Carnaval. A maior parte desses recursos é investida nos carros alegóricos, esculturas e fantasias.

Ajuda

Apesar das perdas sofridas pelas escolas de samba a apenas um mês do Carnaval deste ano, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, assegurou que a prefeitura ajudará às associações a preparar todo o material para permitir que possam participar normalmente dos desfiles.

“Minha Portela, União da Ilha e Grande Rio terão todo respaldo da prefeitura para reconstruir o Carnaval e irão para a avenida”, postou Paes no twitter. “Prefeito do Rio não escolhe jurados e nem define regras do carnaval. No entanto, vai minha opinião: nenhuma escola deve cair em 2011”, opinou.

Paes esteve pela manhã na Cidade do Samba e afirmou que o complexo cultural começará a ser reconstruído ainda nesta semana.

AE
Policial militar detém integrante da Portela por desacato à autoridade
Confusão

O presidente da Portela, Nilo Figueiredo, chegou à Cidade do Samba por volta das 10h, acompanhado de diretores e seguranças, mas foi barrado por policiais militares e bombeiros. A atitude deu início a um tumulto e discussão. Durante a confusão, um dos seguranças do presidente da Portela tentou agredir um PM, que deu voz de prisão ao agressor.

O segurança foi encaminhado à delegacia de polícia da região, acompanhado por um diretor. Após a confusão, Nilo Figueiredo pôde entrar na Cidade do Samba.

Entorno

Devido ao incêndio na Cidade do Samba, as ruas do entorno estão interditadas ao tráfego e há dezenas de curiosos no local. A área foi interditada pelo Corpo de Bombeiros e, segundo a corporação, há risco de desabamento.

Por conta do incidente, a Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio) bloqueou o acesso pelo Elevado da Perimetral, que fica ao lado da Cidade do Samba, para facilitar o trabalho dos Bombeiros. De acordo com a CET-Rio, por volta das 10h45, havia lentidão na região, por conta de motoristas que trafegavam com velocidade reduzida para observar o incêndio.

Embora ainda exista muita fumaça no local, as operações no aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio, não sofreram reflexos. Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a fumaça gerada pelo incêndio não causa problemas no trajeto das aeronaves que chegam ou deixam o terminal.

Histórico

Inaugurada em 2005, a Cidade do Samba está situada em uma área de 92 mil metros quadrados, equivalente a dez campos de futebol. O espaço reúne os barracões das 12 agremiações do Grupo Especial do Carnaval carioca, onde são feitas todas as alegorias para os desfiles na Marquês de Sapucaí. No local também estão dois barracões da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa).

Causas

O administrador da Cidade do Samba, Jorge Júnior, negou que o incêndio tenha começado em um dos barracões da Liesa. “Ali não tem material inflamável suficiente para causar um incêndio dessas proporções. Pelo que soube até agora, o fogo começou no barracão da União da Ilha”.

Ele descartou a hipótese de o incêndio ter sido criminoso e afirmou que o sistema de combate a incêndio da Cidade do Samba será revisado.

Já o comandante do Estado Maior do Corpo de Bombeiros, Pedro Machado, afirmou que “o problema não foi nenhuma irregularidade no sistema de combate a incêndio e, sim, devido à quantidade de material inflamável e à rapidez que fez com o que o fogo se propagasse rapidamente”.

Uma investigação policial, com o apoio de bombeiros e técnicos da polícia civil, será aberta ainda está semana, quando os trabalhos de rescaldo terminarem, para tentar determinar as causas do incêndio.

*com informações da agência EFE 

You need to upgrade your Flash Player

    Leia tudo sobre: cidade do sambaincêndiocarnaval

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG