Identificado um dos acusados de atirar em escolta do vice-presidente do TCM

Um policial militar que fazia a segurança morreu e outro ficou ferido

iG Rio de Janeiro |

Marcos Tristão/Agência O Globo
Dois homens abordaram o PM Antônio Martins para roubar sua moto, mas ele reagiu e acabou morrendo
A Polícia Civil identificou um dos acusados de ter atirado contra a escolta do vice-presidente do Tribunal de Contas do Município . Rodrigo da Silva Santos, conhecido como “Moranguinho”, teve sua prisão temporária solicitada nesta sexta-feira (2) pela Divisão de Homicídios da Capital. O suspeito possui seis mandados de prisão pendentes pelos crimes de roubo e latrocínio (roubo seguido de morte).

Divulgação / Polícia Civil
"Moranguinho" possui seis mandados de prisão pelos crimes de roubo e latrocínio
O crime ocorreu na manhã de quinta-feira (1) no bairro da Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro. Rodrigo e outros dois criminosos tentaram roubar a motocicleta de um dos policiais da escolta do vice-presidente do TCM, José de Moraes Neto. Na ocasião, o agente dono da moto reagiu à abordagem e morreu. O outro policial ficou ferido.

Relembre o crime

De acordo com a PM, os assaltantes estavam em um Fox prata, quando anunciaram o assalto ao primeiro-sargento Antônio Carlos Batista Martins, que chegava para trabalhar e acabou morrendo.

O outro policial ferido foi identificado como o cabo Eric Alexandre Pereira. Ele foi atingido por um tiro de raspão na cabeça e permanece internado no Hospital da Força Aérea do Galeão.

Soldados do 17º BPM (Ilha do Governador) chegaram a fechar a saída da Ilha do Governador por cerca de 40 minutos para procurar os assaltantes, mas eles não foram localizados.

Os policiais militares que realizavam a segurança de José de Moraes Neto eram lotados no Batalhão de Choque (BPChoque). Eles estavam cedidos para a escolta desde que o filho do vice-presidente do TCM foi vítima de espancamento por parte de um capitão e um sargento da PM dentro de uma boate. Por causa do ocorrido, o Tribunal de Contas do Município, solicitou à corporação uma escolta permanente para Moraes e sua família.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG