Tânia Cristina Moreira era mediadora de conflitos da ONG e foi assassinada após ser arrancada de casa, em Vigário Geral

Comoção marcou o enterro da mediadora do AfroReggae neste sábado
Agência O Globo
Comoção marcou o enterro da mediadora do AfroReggae neste sábado
O corpo de Tânia Cristina Moreira, de 44 anos, foi sepultado na tarde deste sábado no Cemitério Nossa Senhora das Graças, em Duque de Caxias, na Baixada de Fluminense. Ela foi assassinada na quinta-feira (10) depois de sequestrada por criminosos que invadiram a casa onde morava, em Vigário Geral . Ela estava com a mãe e uma amiga, quando dois ou três homens, que chegaram em um Gol branco, invadiram a residência.

O crime está sendo apurado pela Delegacia de Homicídios de Baixada Fluminense, que prefere não divulgar no momento as linhas de investigação que estão sendo seguidas.

O corpo de Tânia foi encontrado nesta sexta-feira em Campos Elíseos, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela estava vestida, tinha as mãos amarradas e estava ferida na cabeça.

Durante o sepultamente, alguns colegas de trabalho da mediadora descartam a hipótese de a mediadora ter sido morta em consequência do trabalho que desenvolvia no AfroReggae. Parentes de Tânia cotaram que ela não tinha inimigos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.