Tamanho do texto

Bombeiros foram acionados à 1h48, alegam ter chegado em 4 min, mas só entram às 2h07 no túnel, mostra vídeo da prefeitura

nullO músico Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, esperou por cerca de 19 minutos sem atendimento médico no túnel acústico da Gávea, entre o momento que foi atropelado e a chegada da ambulância do Corpo de Bombeiros que o socorreu, na madrugada de terça-feira (20).O rapaz chegou com vida ao Hospital Municipal Miguel Couto, onde morreu às 8h. O quartel dos bombeiros de onde saiu a ambulância fica a 1km do túnel.

De acordo com o vídeo da CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio), que monitora a via de acesso ao túnel – fechado para manutenção, naquela madrugada –, o Siena preto de Rafael Bussamra que atropelou Rafael para à 01h48:40, na Auto-Estrada Lagoa-Barra, pouco após sair do túnel. Pelas imagens, é possível ver que o carro tinha apenas o farol direito aceso.

O atropelamento teria ocorrido instantes antes. Porém a ambulância do Corpo de Bombeiros, enviada pelo quartel da Gávea, chegou ao túnel somente às 2h07:25 – 18 minutos e 45 segundos depois –, com o giroscópio ligado, segundo a filmagem.

nullO atendimento inicial de Rafael pelos bombeiros, comandados por um tenente médico, demorou oito minutos, ainda dentro do túnel. A ambulância sai do túnel às 2h15:25, em alta velocidade, em direção ao Hospital Municipal Miguel Couto, a menos de 500 metros dali.

PMs liberaram atropelador após 7 minutos

O iG revelou nesta quinta que o sargento Marcelo Martins e do Cabo Marcelo Bigon, do 23°BPM (Leblon), abordaram o Siena preto por sete minutos e sete segundos, antes de liberarem Rafael Bussamra e o carro, que tinha marcas evidentes de uma colisão na parte dianteira esquerda. A viatura policial ficou parada atrás do Siena por esse período, enquanto Rafael aguardava socorro. O automóvel teria participado de um “pega” com um Honda Civic no túnel, fechado para manutenção. A PM informou, em nota, que está apurando a conduta dos policiais em inquérito policial militar, pela Corregedoria.

null

Os horários da câmera da CET-Rio, entretanto, não coincidem com os do registro do Corpo de Bombeiros. A CET-Rio informou ao iG que o relógio da câmera está sincronizado com o horário de Brasília.

nullDe acordo com informação do sistema de atendimento do Corpo de Bombeiros, o quartel da Gávea recebeu um chamado avisando sobre o atropelamento à 1h48, de um homem identificado apenas como Edmilson. Segundo os bombeiros, a ambulância saiu da unidade um minuto depois, chegou ao local do acidente à 1h52 e partiu em direção ao hospital três minutos depois.

Ainda conforme os militares, a ambulância com Rafael chegou ao Miguel Couto à 1h58. Assim, entre o chamado para o quartel – à 1h48 – e a chegada de Rafael ao hospital – à 1h58 – teriam se passado apenas dez minutos, conforme a versão dos bombeiros.

Oficialmente, segundo a Secretaria de Saúde do Rio, Rafael só entrou às 2h30 no Miguel Couto, e morreu às 8h.

As imagens da câmera da prefeitura desmentem a versão dos bombeiros. O vídeo mostra que só entre a chegada e a saída da ambulância se passaram oito minutos – os bombeiros disseram que o atendimento demorou apenas três minutos.

Socorro por telefone pensou que era trote, diz morador que ligou para avisar

O morador da Gávea Marciel Felipe, 33, afirmou ao iG ter sido um dos primeiros a chegar ao local. Contou que ligou para o Corpo de Bombeiros cinco vezes e que o socorro demorou. “Os bombeiros demoraram muito. Ficavam pedindo dados residenciais, para saber se não era trote. Foram 25 minutos até a ambulância chegar”, disse.

Marciel disse que, depois de telefonar insistentemente sem sucesso, resolveu ir a pé até o quartel dos bombeiros, que fica a 1 km do local do acidente. Chegando ao quartel, viu a ambulância ir em direção ao túnel.

Se os relógios do Corpo de Bombeiros e da CET-Rio estão sincronizados com o horário de Brasília, a ambulância demorou 19 minutos – entre 1h48, quando chegou o primeiro chamado por telefone ao quartel, e as 2h07:25, quando a ambulância entra no túnel.

(Reportagem de Raphael Gomide e Bruna Fantti)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.