Beatriz da Silva Cunha teve pedido de liberdade concedido pela Justiça

Falsa psicóloga foi solta na última segunda-feira (9)
Agência O Globo
Falsa psicóloga foi solta na última segunda-feira (9)
Após ser presa duas vezes, a mulher suspeita de atuar como falsa psicóloga em uma clínica na zona sul do Rio de Janeiro voltou a ser solta na última segunda-feira (9) após a Justiça conceder habeas-corpus, segundo informações da Polícia Civil.

Beatriz da Silva Cunha, de 32 anos, foi denunciada ontem por falsificação de documentos, estelionato e propaganda enganosa. Na semana passada, já havia sido indiciada por tortura.

A suspeita exercia ilegalmente a profissão há 12 anos e atendia crianças com autismo. Ela era proprietária de uma clínica em Botafogo, na zona sul e, mesmo sem ser profissional, conseguiu convênios com a Marinha e a Aeronáutica.

Ela foi presa pela primeira vez em abril. No dia 27 do mesmo mês, foi solta a mando da Justiça. Voltou a ser presa no último sábado (7).

Segundo a polícia, Beatriz foi indiciada por tortura porque os agentes receberam informações de que ela aplicava métodos violentos para forçar as crianãs a comerem.

A polícia está investigando se o marido da suspeita era seu cúmplice. Os agentes encontraram em sua casa um bilhete em que ele dizia que sabia das irregularidades cometidas por Beatriz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.