As favelas Mangueira, Rocinha e Manguinhos estão em alerta pela expectativa de receber UPPs ou por abrigar traficantes do Alemão

selo

Depois da ocupação policial do Complexo do Alemão, na Penha, Rio de Janeiro, três favelas entraram em estado de alerta: a Mangueira, em São Cristóvão, a Rocinha, na zona sul, e Manguinhos, na zona norte. Seja pela expectativa de que receberão uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) ou pela possibilidade de estas favelas estarem abrigando traficantes fugidos do Alemão.

Das três comunidades, a que está mais perto de ser pacificada é a Mangueira. "Tem a quadra da escola de samba que recebe muito turista, além de ser um local em que o tráfico exerce poder", disse o comandante do batalhão da área (4º BPM), coronel Rogério Leitão. Ele, no entanto, não confirma que o morro seja um dos próximos a receber o projeto.

Por receber grande número de turistas e possuir locais de fácil acesso para a venda de drogas, a Mangueira também é reduto importante para o Comando Vermelho, facção que foi atingida no Alemão. Nos últimos dias, a polícia recebeu denúncias de que bandidos teriam se refugiado na comunidade, mas ainda não há informações confirmadas.

 Já moradores da Rocinha, que é comandada por quadrilha rival à do Alemão, têm convivido com o medo imposto pelo tráfico. "Os traficantes têm se preparado colocando pneus com explosivos em várias ruas até o alto da favela e têm feito treinamentos diários, vestidos com roupas de policiais", disse uma liderança da favela.

Em Manguinhos, comunidade que recebe obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), assim como a Rocinha e o Alemão, traficantes têm mostrado descontentamento com o governo estadual. "Eles dizem que ajudaram o governo a implantar o PAC e agora estão sendo traídos", disse um morador de Manguinhos.

Ameaças

As Forças Armadas também investigam denúncias de soldados de que traficantes estariam intimidando e ameaçando seus familiares, em favelas dominadas pela facção expulsa do Alemão. Segundo o comandante do Exército, general Enzo Peri, a inteligência está checando "informes". Ele não quis adiantar quais providências seriam tomadas no caso de serem confirmadas as ameaças: "Primeiro vamos verificar se as ameaças realmente surgiram e se há disposição de executar, mas não deixaremos nenhum dos homens sem proteção", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.