Elevadores panorâmicos ligam Ipanema a morros no Rio

Sistema liga a parte alta do Cantagalo e do Pavão-Pavãozinho à estação do metrô da Praça General Osório, no bairro nobre carioca

Agência Brasil |

Ficou menor a distância que separa Ipanema - bairro da zona sul do Rio de Janeiro que tem um dos metros quadrados mais caros do País - das favelas vizinhas do Cantagalo e do Pavão-Pavãozinho. Os mais de 10 mil moradores das duas comunidades ganharam nesta quarta-feira (30) dois elevadores panorâmicos que ligam a parte alta dos morros à estação do metrô da Praça General Osório, no coração de Ipanema.

Agência Brasil
Elevadores ligam a parte alta dos morros Cantagalo e Pavão-Pavãozinho a Ipanema
Instalados em duas torres, uma com 64 metros de altura e outra com 31, os elevadores têm capacidade para transportar até 100 pessoas ao mesmo tempo. As obras custaram R$ 48 milhões e foram financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Moradora da comunidade do Pavão-Pavaozinho, Maria da Conceição Lins comemorou o fato de não precisar mais subir centenas de degraus todos os dias quando volta para casa. “A vista está linda demais e a obra também, mas bom mesmo é não ter que enfrentar mais escada”.

AE
Vista dos elevadores do lado do morro
O topo da torre mais alta, com uma vista deslumbrante da orla da zona sul do Rio, tem tudo para se transformar na mais nova atração turística de Ipanema. Batizado de “Mirante da Paz”, a pedido dos moradores, o alto da torre dá acesso a quatro praças equipadas com mesas para jogos e parque infantil e à nova escadaria de acesso aos pontos mais altos do morro.

O complexo que abriga os elevadores recebeu o nome do escritor Rubem Braga, que era vizinho das comunidades. No prédio também foi instalada uma cabine blindada, que funcionará como extensão da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). A unidade atua no local desde o ano passado e foi responsável pela expulsão das quadrilhas de traficantes que dominavam os morros.

Além das torres, foram entregues 64 apartamentos a famílias das duas comunidades. As unidades habitacionais foram construídas no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), concluindo a primeira fase do projeto, que custou R$ 45 milhões aos cofres públicos.

A desempregada Maria de Fátima Nascimento, de 44 anos, o marido, os dois filhos, a irmã e a sobrinha devem se mudar ainda nesta semana para um dos novos apartamentos, que têm cerca de 40 metros quadrados, dois quarto, sala, banheiro e cozinha. Hoje, eles moram em uma quitinete sem rede de esgoto na favela do Pavão-Pavãozinho. “Além de pequenina, a casa fica lá no alto; muita escada para subir”, disse Maria de Fátima.

Nessa primeira fase do programa, foram implantadas redes de esgoto, água potável e drenagem pluvial, além da pavimentação de boa parte das ruas e vielas das duas comunidades. A segunda fase, orçada em R$ 50 milhões, prevê a conclusão de mais 76 moradias e a abertura de um anel viário para permitir o acesso de serviços como coleta de lixo e ambulâncias a todos os pontos dos morros.

    Leia tudo sobre: elevadoresCantagaloPavão-Pavãozinho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG