"Eles queriam um mapa para sair do hotel", afirma refém de hotel

Homens que invadiram o InterContinental queimaram celulares e computador; dos 5 hóspedes mantidos reféns, 3 eram estrangeiros

iG Rio de Janeiro |

Na porta da delegacia da Gávea, na zona sul da cidade, onde desde às 11h30 da manhã os 35 reféns da invasão do Hotel InterContinental prestavam depoimentos, o clima ainda era tenso às 17h30 da tarde. Policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) realizaram um cerco e não deixaram a imprensa ou familiares dos presos ou reféns passarem. Dos 35 reféns, 30 eram funcionários do hotel e cinco eram hóspedes, dos quais pelo menos três eram estrangeiros, segundo o 15ºDP (Gávea).

A mãe de um dos presos, que não quis se identificar, disse que tentava levar somente água e uma camisa para o filho. “Vi na televisão que ele estava sem camisa na apresentação. Está frio e ele é um ser humano. Por que não deixam nem saber se ele está bem?”, disse, ao lado de outras seis mulheres que também aguardavam notícias dos filhos.

Aos poucos, assim que acabavam de prestar depoimento, os reféns saíam. Dois homens, de nacionalidade belga, estavam com as roupas amassadas e sujas. Ao saírem, somente falaram “sem comentários” e entraram em um carro. Segundo o 15ºDP, uma portuguesa comissária da companhia aérea TAP também estava no grupo de cinco hóspedes mantidos reféns.

Dos 30 funcionários, somente o garçom Manuel Severino, de 52 anos, que trabalha há oito no hotel, quis falar. “Eles entraram gritando, mostrando as armas e queriam uma mapa para sair do hotel. Quando tentaram sair pela janela, os policiais já haviam chegado.”

Severino disse que ficou com medo dos homens armados que se negavam a sair. Mas, depois, percebeu que eles queriam ganhar tempo. “Na hora eu fiquei nervoso. Mas percebi que se entregariam após colocar fogo em celulares e um computador.”

nullDurante coletiva realizada logo após a saída dos reféns do hotel, o secretário de segurança do Estado, José Beltrame, afirmou que os bandidos queimaram um lap top que possivelmente teria informações da venda de drogas na Rocinha.

Às 18h, todos os funcionários do hotel foram levados em um ônibus. Policiais ainda ouviram um homem que estava ferido dentro de uma ambulância, na porta da delegacia. Ele supostamente teria envolvimento no tiroteio. Após ser atendido em uma UPA da Rocinha, por estar baleado, era levado de ambulância para um hospital na zona norte. No caminho, policiais interceptaram o veículo e o conduziram à delegacia.
Até o final da noite, os quatro policiais feridos ainda permaneciam internados.

O sargento Paiva passou por uma cirurgia no joelho e permanece em estado grave. Já o sargento Genílson e os Cabos Monteiro e Washington devem receber alta ainda neste domingo.

    Leia tudo sobre: hotel intercontinentalsão conradotiroteioturistas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG