Após perceber chegada de fiscais e de promotora, proprietário escapou pela parte de trás da unidade

Um dos donos do Hospital de Clínicas Belford Roxo, na Baixada Fluminense, identificado como Deodalto José Ferreira, teria fugido pela porta dos fundos da unidade com a chegada de fiscais do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TER-RJ). O irmão dele, Flávio Campos Ferreira, que também é proprietário, é candidato a deputado estadual, segundo o TRE.

Os fiscais chegaram acompanhados da promotora de Justiça Maria Lúcia e apreenderam no local morfina com prazo de validade vencido, além de documentos de 27 pacientes, com cópia dos títulos eleitorais, quatro computadores e munições calibre 38 armazenadas em um cofre.

De acordo com o TRE, o fato de haver medicamento vencido na unidade de saúde poderia ter resultado na prisão em flagrante de Deodalto, que conseguiu escapar. O órgão pode impetrar ainda uma ação penal contra os sócios do Hospital O material vai ser encaminhado para exame da procuradora regional eleitoral Silvana Batini.

Responsável pela fiscalização da propaganda em Belford Roxo, a juíza Ana Helena Rodrigues entendeu que havia fortes indícios de crime eleitoral, após a promotora de justiça Maria Lúcia Winter receber denúncias de que havia distribuição de santinhos no interior do hospital, inclusive na ala destinada a pacientes do Sistema Único de Saúde.

A polícia já colheu depoimento de pelo menos 10 pessoas no inquérito que apura negligência médica e atuação de falsos médicos no Hospital de Clínicas de Belford Roxo. Um estudante de medicina, identificado como Silvino da Silva Magalhães, de 41 anos foi preso e indiciado por homicídio doloso.

Algumas mortes de bebês e gestantes nos últimos meses no hospital podem ter ligação com a atuação do estudante. Ele se passava por obstetra e ginecologista. O falso médico tinha carimbo e receituário com seu nome.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.