Disque-Denúncia aumenta recompensa por informações sobre balões

No último sábado, um incêndio supostamente causado por um artefato destruiu reserva ambiental na zona sul do Rio

iG Rio de Janeiro |

O Disque-Denúncia aumentou para até R$ 2 mil a recompensa por informações que levem à localização de fábricas clandestinas de balões, de festivais para soltura ou comercialização. Na noite do último sábado, um incêndio supostamente provocado pela queda de um balão destruiu parte de uma área de preservação ambiental localizada no Morro dos Cabritos, na Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro.

Divulgação
Cartaz da campanha do Disque-Denúncia contra balões
Neste ano, o Disque-Denúncia já recebeu 236 denúncias sobre o assunto, sendo apreendidos 18 balões de tamanhos variados, mais de 500 fogos de artifícios, além de farto material para confecção de balões. Desde 1999, o órgão realiza campanhas entre os meses de abril e setembro e já ajudou a polícia do Rio a apreender mais de 640 balões.

As denúncias podem ser feitas através do telefone 2253-1177. A central telefônica funciona 24 horas por dia. As informações são repassadas ao Batalhão de Polícia Florestal e Meio Ambiente (BPFMA) ou para a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Soltar balões é crime ambiental previsto em lei. Geralmente as pessoas flagradas fabricando, transportando ou fazendo uso do artefato são condenados a pagarem cestas básicas ou a prestarem serviços comunitários.

Incêndio

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente do Rio começou nesta segunda-feira os trabalhos de recuperação das regiões do Morro dos Cabritos e do Parque da Catacumba afetadas pelo incêndio na noite de sábado. Segundo o prefeito Eduardo Paes, uma empresa privada foi contratada em caráter emergencial para ajudar no reflorestamento da área.

O governador Sérgio Cabral determinou prioridade nas investigações do que provocou o incêndio. Há suspeita de que um balão tenha iniciado o fogo, que queimou uma região do tamanho de quatro campos de futebol de mata atlântica. Paes classificou de “brincalhões” as pessoas que soltam balões. “Tem que ser todos presos. São uns brincalhões, uns palhaços achando que estão se divertindo e acabam colocando em risco a vida dos outros”.

Trabalhos

O incêndio, considerado de grandes proporções pelos bombeiros, deu muito trabalho para ser controlado , principalmente devido aos fortes ventos que sopraram durante toda a madrugada. Os soldados tiveram que utilizar helicópteros na tentativa de debelar o fogo.

Soldados de oito quartéis de bombeiros, inclusive os de Copacabana, Humaitá e Rio Comprido, ajudaram no combate às chamas, que podiam ser vistas de bairros próximos como o Jardim Botânico e a Gávea, além da própria Lagoa Rodrigo de Freitas.

O fogo não deixou feridos e nem chegou a atingir casas, mas alguns moradores de classe média e média alta da região saíram de casa durante a madrugada com medo do fogo e incomodados pela fumaça. O trânsito nas imediações do incêndio ficou congestionado durante a madrugada, devido ao trabalho dos bombeiros e aos curiosos que reduziam a velocidade para ver as chamas.

* Com as agências Brasil e Estado

    Leia tudo sobre: balõesdisque-denúnciaincêndio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG