Diretor que omitiu caso de aluna com educadora pode ser indiciado

Delegado irá ouvir mãe de jovem de novo para decidir se indicia ou não o diretor por estupro de vulnerável e corrupção de menores

iG Rio de Janeiro |

O titular da delegacia de Realengo (33°DP), Ângelo Lages, pretende convidar a mãe da jovem de 13 anos que teve um relacionamento sexual com a professora Cristine Barreiras, de 33 anos , para um novo depoimento e, posteriormente, indiciar o diretor da Escola Municipal Rondon, Celso Luiz Gomes.

O objetivo é esclarecer o teor da queixa da mãe feita ao diretor relativa ao relacionamento da aluna com a professora. Em agosto deste ano, a mãe afirmou em um primeiro depoimento que teria procurado o diretor da unidade para cobrar um afastamento da professora da sua filha. Ela teria dito que avisou ao diretor que sabia que a adolescente estava se relacionamento sexualmente com a educadora, de 33 anos. No entanto o diretor somente transferiu a educadora de unidade e não comunicou às autoridades policiais.

“Ele diz desconhecer essa queixa. Mas escreveu na ata do colégio, na época, que a aluna e a professora possuíam uma relacionamento sentimental atípico”, disse o delegado.

Lages afirmou que o diretor foi omisso e deverá ser indiciado (caso a mãe corrobore o primeiro depoimento) por de estupro de vulnerável e corrupção de menores – os mesmos crimes que a professora acusada de manter um relacionamento amoroso com a aluna foi indiciada.

    Leia tudo sobre: professoraabuso sexualmenores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG