Defesa de procuradora vai assumir maus-tratos a criança

Intenção do advogado é livrar a ré, Vera Lúcia Sant' Anna Gomes, da condenação por tortura

AE |

A defesa da procuradora Vera Lúcia Sant' Anna Gomes, de 67 anos, presa sob a acusação de ter torturado uma criança de 2 anos que pretendia adotar, vai assumir, na última defesa ao juiz, que pode ter mal tratado a criança. A intenção do advogado Jair Leite Pereira é livrar a ré da condenação por tortura.

Em sua argumentação, Jair Leite vai transferir parte da culpa para o Tribunal de Justiça que, na opinião do advogado, teria errado ao destinar a criança à procuradora. "Uma senhora de 67 anos, solteira, não tem condições de criar uma criança de 2 anos e 8 meses. Ela já não tem paciência. Imagine daqui a 10 anos, quando a criança tiver 12 anos e a Vera tiver 77, ela não estaria preparada", disse Jair Leite, que entregará suas alegações finais na segunda-feira.

Ao alegar maus-tratos, o advogado pretende diminuir o tempo de prisão da procuradora, em caso de condenação, já que para este artigo (136) do Código Penal a lei prevê reclusão de 2 meses a um ano. Caso seja condenada por tortura, Vera Lúcia poderia ter pena decretada por período que vai de dois até oito anos. O advogado irá alegar, também, que por ela ter sido promotora, goza de foro privilegiado e deveria estar sendo julgada por um tribunal. Segundo o Ministério Público, a procuradora não tem este direito, pois já se aposentou.

Esta será a última chance de defesa de Vera Lúcia, antes da sentença do juiz Mario Henrique Mazza, da 32ª Vara Criminal, que pode ocorrer 10 dias após da defesa se pronunciar.

    Leia tudo sobre: Vera Lúcia Sant

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG