Decretada prisão de PMs que liberaram atropelador de Rafael

Policiais são suspeitos de receberem propina do pai do motorista que matou filho de Cissa Guimarães

iG Rio de Janeiro |

A Justiça Militar do Rio de Janeiro decretou, na noite desta terça-feira, a prisão preventiva dos dois policiais militares que teriam liberado o motorista que atropelou o músico Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, há sete dias.

O sargento Marcelo Leal e o cabo Marcelo Bigon, do 23º BPM (Leblon), são suspeitos de terem cobrado R$ 10 mil de Roberto Bussamra, pai do motorista Rafael Bussamra, para não registrar a ocorrência na delegacia. O acidente aconteceu na terça-feira, 20, quando Rafael andava de skate acompanhado de outros dois amigos no Túnel Acústico, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro.

De acordo com o Ministério Público, os policiais teriam saído da área de patrulhamento, para a qual estavam escalados, para obter vantagem ilícita. Inicialmente, eles alegaram não ter observado o estado do veículo, apesar da nítida destruição, e isso, segundo o MP, levantou dúvidas sobre o procedimento adotado.

O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que a prisão é necessária porque os policiais poderiam pôr em risco a investigação, "principalmente porque os envolvidos recentemente disseram que se sentem intimidados". 

“Tais policiais militares, como integrantes da Corporação da Polícia Militar, têm o dever de garantir a ordem pública e a paz social. Porém, ao contrário, se veem envolvidos em atos que denigrem diariamente a imagem da Instituição que representam, fazem uso indevido da autoridade em que foram investidos e direcionam-se para cometer crimes, afirma a promotora Isabella Pena Lucas, acrescentando que o fato abala o nome da instituição e faz crescer o sentimento de impunidade. "As condutas que são imputadas aos acusados causam perplexidade (...) O fato, além de ferir os princípios da hierarquia e disciplina a que estão subordinados, ainda fere qualquer racionalidade e bom senso”, afirma.

Depoimento

De acordo com a polícia, Rafael Bussamra disse que o músico  fazia uma manobra de skate com a curva muito aberta e, por isso, não foi possível frear o carro. A afirmação, segundo a polícia, foi feita durante a reconstituição do acidente no fim do Túnel Acústico, que aconteceu na madrugada desta terça-feira e foi baseada nos depoimentos de seis pessoas, entre envolvidos e testemunhas. Um skatista, amigo de Rafael, o representou.

Para concluir o inquérito, a Polícia Civil aguarda os laudos das perícias do carro do atropelador e da reconstituição. Algumas contradições precisam ser esclarecidas, entre elas se Bussamra disputava um racha com os ocupantes de um Honda Civic guiado por um amigo dele.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG