Laudo do IML nega que idosa tenha sido estuprada, ao contrário do que havia sido informado por policiais militares

O corpo da idosa Catherine Zoucas, de 84 anos, deverá ser enterrado na tarde desta segunda-feira (28), no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na zona oeste do Rio de Janeiro. Catherine morreu em decorrência de traumatismo toráxico e facial na madrugada do último domingo (27), de acordo com o laudo do Instituto Médico Legal de Itaboraí. Ao contrário do que havia sido informado por policiais militares , a vítima não sofrera violência sexual.

A polícia ainda investiga a motivação do crime, já que aparentemente nada foi roubado da casa onde Catherine morava, no município de Guapimirim, na Baixada Fluminense.

O laudo do IML, concluído nesta segunda-feira (28), nega que tenha ocorrido violação sexual. De acordo com o delegado José de Moraes, titular da delegacia de Magé, houve um equívoco dos PMs devido ao estado das vestimentas da vítima. "Os policiais a encontraram com as roupas rasgadas, possivelmente por causa dos golpes que a mataram. Ela também estava sem calcinha. Então, deduziram que houve estupro. Mas o atestado de óbito não aponta violência sexual", afirmou ao iG .

Nesta tarde, os policiais que investigam o caso, interrogam uma possível testemunha, identificada como M. de 51 anos. Ela era acompanhante de Catherine nos finais de semana, já que a idosa morava sozinha em um sítio na região rural do município. 

Após o crime,M. foi encontrada em estado de choque, em um dos cômodos da casa. Ela passou o domingo internada no hospital Municipal de Guapimirim e recebeu alta ontem à noite. Também presta depoimento o pai de M. Ele era caseiro no sítio de Catherine, mas não trabalhou no final de semana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.