Agente se envolveu em briga com policial militar antes de ser morto

Agentes da Divisão de Homicídios da Polícia Civil realizam buscas nesta terça-feira para localizar o contraventor João Carlos Martins Maia, mais conhecido como Joãozinho, de 37 anos. Ele teria sido o mandante dos disparos que mataram um policial civil na madrugada do último sábado em uma boate no centro do Rio de Janeiro.

Agência O Globo
Policiais civis na porta da boate onde agente morreu na madrugada do último sábado
O agente penitenciário que atirou contra Marcelo Bittencourt, de 44 anos, se entregou na noite de segunda-feira à 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes).

O advogado de Antônio Carlos de Oliveira Júnior disse que seu cliente fazia a segurança de Joãozinho na ocasião do assassinato e que ele atirou em legítima defesa.

Investigações realizadas pela polícia apontam que Joãozinho estava em um camarote da boate com seus seguranças quando teria ocorrido uma discussão com Marcelo. O policial civil teria retirado sua arma que estava acautelada e disparado contra um policial militar.

O sargento da PM Marco Alexandre Caetano Ferreira ficou ferido no rosto e, em seguida, o contraventor teria ordenado ao agente penitenciário que atirasse contra Marcelo.

Os dois policiais envolvidos na ocorrência estavam de folga. O PM ferido foi encaminhado para o hospital da corporação, submetido a uma cirurgia e passa bem. A boate The Week, onde aconteceu a confusão, é conhecida por ser frequentada pelo público GLS. O espaço está fechado por tempo indeterminado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.