Comunidades em Nova Friburgo ainda estão alagadas

Cursos de rios foram desviados e algumas comunidades devem ficar alagadas para sempre. Ainda há moradores isolados

AE |

selo

Doze dias após o temporal na região serrana do Rio de Janeiro, sete pequenas comunidades onde o nível da água não baixou ainda estão escondidas e isoladas. Em Rio Grande de Cima, na periferia de Nova Friburgo, há pontos em que só os telhados das casas estão aparentes e não há previsão de que o terreno volte a secar. Na região, o número de desalojados e desabrigados passou de 20 mil.

 Os deslizamentos de terra e rochas mudaram a geografia a tal ponto que não há mais vias de escoamento para a água que se acumulou nos vales. Em alguns casos, cursos dos rios foram desviados e eles agora passam por locais onde antes moravam famílias. Como reverter esse cenário seria caro e trabalhoso, é provável que essas comunidades fiquem alagadas para sempre.

O alagamento de comunidades localizadas em vales também pode ter sido causado pelo acúmulo da terra dos deslizamentos no fundo dos rios. O assoreamento teria provocado um aumento do nível da água, o que causaria inundações constantes nessas áreas.

Apesar de terem resistido às inundações, algumas dessas áreas ainda estão isoladas por deslizamentos que interditaram parte das estradas. Áreas alagadas também foram registradas em São José do Vale do Rio Preto, um dos municípios mais castigados pelas chuvas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja imagens da destruição causada pelas chuvas:

    Leia tudo sobre: comunidades alagadaschuvasrio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG