Cirurgião plástico morre em sauna gay no Rio de Janeiro

De acordo com a polícia, vítima teria ido para um dos quartos com um garoto de programa e passado mal após o orgasmo

iG Rio de Janeiro |

O Instituto Médico Legal (IML) investiga as causas da morte do cirurgião plástico Eduardo Ramalho , de 56 anos, morto na noite do último sábado (26) em uma sauna gay no bairro da Glória, zona sul do Rio de Janeiro. O corpo já foi submetido a uma necropsia e passa por exames para detectar se há a presença de alguma substância que possa ter causado o óbito do médico.

De acordo com o delegado titular da 9ª DP (Catete), Pedro Paulo Pontes Pinho, o cirurgião plástico estava no estabelecimento voltado ao público homossexual quando conheceu um garoto de programa da casa e se dirigiu a um dos quartos para fazer sexo.

Segundo a polícia, o garoto de programa relatou em depoimento que Eduardo Ramalho passou mal após o orgasmo e morreu, por volta das 22h30. Funcionários da sauna gay e frequentadores do local, entre eles um médico, chegaram a socorrê-lo, mas o cirurgião plástico não resistiu. Quando os bombeiros chegaram ao local, ele já estava morto.

Uma assistente do consultório de Eduardo Ramalho e um amigo dele prestaram depoimento e contaram que a vítima tinha problemas cardíacos. A polícia informou que descarta, por ora, a hipótese de homicídio e da prática do golpe conhecido como “boa noite, cinderela” porque esse tipo de delito é geralmente praticado em circunstâncias e em locais diferentes do ocorrido.

O cirurgião plástico estava com bens e dinheiro no armário da sauna, que serão devolvidos à família da vítima. A morte de Eduardo Ramalho foi noticiada no sábado pela colunista do iG , Lu Lacerda . O médico tinha um consultório no Rio, na rua Visconde de Pirajá, em Ipanema, área nobre da cidade, e outro em Brasília.

A vítima, de família paraense, não tem parentes no Rio. Entre seus melhores amigos estavam Nilga Charmoun, ex-mulher de Germano Gerdau, e o consultor tributarista Luiz Fernando Priolli. Sua lista de pacientes contava com integrantes da alta sociedade carioca, como Zéka Marquez, Neide Fachini, Surama de Castro, Christine Niemeyer e a ex-miss Brasil Márcia Gabrielle.

    Leia tudo sobre: mortecirurgião plásticoinfartosauna gay

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG