Já são 844 os mortos pelas chuvas na Região Serrana do Rio

Municípios afetados pela tragédia contabilizam 449 desaparecidos, segundo balanço do Ministério Público Estadual

iG Rio de Janeiro | 12/01/2011 11:34 - Atualizada em 28/01/2011 20:49

Compartilhar:

Os municípios atingidos pelas enchentes e deslizamentos de terra na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro contabilizam 844 mortes em decorrência da tragédia. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Médico Legal (IML). São 408 vítimas em Nova Friburgo, 343 em Teresópolis, 67 em Petrópolis, 21 em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e uma em Bom Jardim.

Já o número de desaparecidos chega a 449, segundo o Ministério Público Estadual. São 224 em Teresópolis, 129 em Nova Friburgo, 51 em Petrópolis, três em Sumidouro, três em Bom Jardim e 39 em localidades não informadas.

O número de desabrigados [aqueles que perderam tudo e necessitam de abrigos públicos] na Região Serrana chega a 8.777, enquanto o de desalojados [aqueles que estão na casa de vizinhos ou familiares] é de 20.790. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira (28) pela Defesa Civil Estadual.

De acordo com a pasta, o município de Teresópolis contabiliza 6.210 desalojados e 5.058 desabrigados. Em Petrópolis, há 5.891 desalojados e 198 desabrigados. Em Bom Jardim, 1.186 pessoas estão desalojadas e, 632, desabrigadas. O município de Areal possui 1.469 desalojados.

Em Sumidouro, a situação é um pouco melhor, com 311 desalojados e 200 desabrigados. O mesmo acontece em Santa Maria Madalena (284 desalojados / 44 desabrigados), Sapucaia (30 desalojados / 140 desabrigados), São Sebastião do Alto (32 desalojados / 75 desabrigados), Três Rios (36 desalojados / 33 desabrigados), Carmo (40 desalojados / 12 desabrigados), Cordeiro (26 desalojados / 17 desabrigados) e Macuco (28 desalojados e 24 desabrigados).

Uma das cidades mais atingidas, Nova Friburgo contabiliza 3.220 desalojados e 2.031 desabrigados. São José do Vale do Rio Preto possui 2.018 desalojados e 300 desabrigados. O município de Cantagalo possui nove desalojados.

Ajuda 

A presidenta Dilma Rousseff anunciou a construção de 6 mil unidades habitacionais, por meio do programa "Minha casa, Minha Vida", para as vítimas da Região Serrana. Outras 2 mil unidades doadas por empresários da área de construção civil também serão destinadas às vítimas.

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos informou que sete mil famílias afetadas pela tragédia das chuvas na Região Serrana serão beneficiadas pelo aluguel social. Seis mil famílias de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo receberão mensalmente R$ 500, por um período de 12 meses. Nos outros quatro municípios que sofreram com a catástrofe (Areal, Bom Jardim, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto), mil famílias serão beneficiadas, com R$ 400 mensais.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou um financiamento de até R$ 400 milhões para microempreendedores individuais e empresas da Região Serrana. A medida provisória assinada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada na sexta-feira (21) no Diário Oficial da União prevê que o dinheiro seja usado em capital de giro e investimentos.

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, afirmou que já estão reservados, na segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), cerca de R$ 100 milhões para cidades fluminenses se prevenirem contra chuvas fortes em encostas. Entre as vítimas da Região Serrana do Rio, estão familiares do economista Erik Conolly, diretor da holding do Icatu, que estavam no distrito de Itaipava, em Petrópolis.

* com agências

 

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo