Chega a 765 o número de mortos pelas chuvas no Rio

Número é do IML. Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Estado contabiliza 808 vítimas fatais em seis cidades

iG Rio de Janeiro |

O número oficial de mortos em consequência das enchentes e deslizamentos de terra que atingiram a região serrana do Rio de Janeiro desde o último dia 11 chega a 765, segundo o Instituto Médico Legal (IML).

Entretanto, segundo boletim divulgado pela Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Estado neste domingo (23) o número de vítimas fatais já chegaria a 809. Seriam 391 vítimas em Nova Friburgo, 327 em Teresópolis, 66 em Petrópolis, 22 vítimas em Sumidouro, duas em São José do Vale do Rio Preto e uma em Bom Jardim.

De acordo com o Ministério Público Estadual, 417 pessoas estão desaparecidas . Além delas, 7.780 estão desalojadas (aquelas que estão na casa de vizinhos ou familiares) e 6.050 estão desabrigadas (aquelas que perderam tudo e necessitam de abrigos públicos). Segundo o boletim, em Petrópolis são 3.600 desalojados e 2.800 desabrigados. Em Teresópolis, são 960 desalojados e 1.280 desabrigados. Já em Nova Friburgo, há 3.220 desalojados e 1.970 desabrigados. 

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos informou que sete mil famílias afetadas pela tragédia das chuvas na Região Serrana serão beneficiadas pelo aluguel social . Seis mil famílias de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo receberão mensalmente R$ 500, por um período de 12 meses. Já nos outros quatro municípios que sofreram com a catástrofe (Areal, Bom Jardim, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto), mil famílias serão beneficiadas, com R$ 400 mensais.

Por causa da tragédia, o governador Sérgio Cabral (PMDB) decretou luto oficial no Estado do Rio de Janeiro por sete dias pelas vítimas das chuvas e estado de calamidade pública em sete municípios da Região Serrana . Na quinta-feira (13), acompanhada de Cabral, Dilma sobrevoou Nova Friburgo por cerca de uma hora e teve uma reunião com ministros e autoridades locais. Abordada por jornalistas, disse que "governo promete ações firmes para ajudar a reconstruir a cidade".

Neste sábado (22), o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou vai enviar mais 20 ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para reforçar a assistência à população atingida pelas chuvas.

Além de atender a quem teve algum tipo de ferimento durante a enxurrada, os hospitais estão sendo procurados por pessoas em busca de atendimento psicológico .

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou um financiamento de até R$ 400 milhões para microempreendedores individuais e empresas da Região Serrana. A medida provisória assinada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada na sexta-feira (21) no Diário Oficial da União prevê que o dinheiro seja usado em capital de giro e investimentos.

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, afirmou na quinta-feira (20) que já estão reservados, na segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), cerca de R$ 100 milhões para cidades fluminenses se prevenirem contra chuvas fortes em encostas.

Dez dias depois da forte chuva, ainda há pessoas isoladas e que dependem unicamente do transporte aéreo para conseguir alimentos. No entanto, o DER-RJ informou que todas as estradas estaduais de acesso à região serrana já estão liberadas - embora algumas estejam funcionando em meia pista.

Ainda há desaparecidos na Região Serrana do Rio, segundo informações da Defesa Civil do Estado, além de milhares de desabrigados. Entre as vítimas, estão familiares do economista Erik Conolly , diretor da holding do Icatu, que estavam em no distrito de Itaipava, em Petrópolis.

* Com agências

*Com informações da EFE e Agência Estado

    Leia tudo sobre: desabamentochuvasbombeiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG