Cabral diz que Rio aumentou verba para segurança

Governador diz que dados apresentados pelo anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública não estão corretos

AE |

selo

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), desqualificou os dados do anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados hoje, em São Paulo, que apontam o Estado como o que mais cortou gastos em segurança pública em 2009. De acordo com a entidade, houve uma diminuição de 24,6% - de R$ 4,9 bilhões para R$ 3,7 bilhões - nas verbas destinadas à segurança na comparação com o valor destinado em 2008.

"Francamente, o instituto deveria ter estudado os dados antes de ter divulgado", afirmou, em conversa com jornalistas após participar do "Exame Fórum - Rio de Janeiro - Oportunidades de Investimentos e Negócios", realizado na capital paulista. Segundo Cabral, houve uma mudança no cálculo do orçamento do Rio de 2008 para 2009, que excluiu da pasta da Segurança as despesas com pagamento de aposentadorias e pensões de policiais civis e militares e alocou o gasto para o Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Rioprevidência).

"Para que se possa fazer a comparação correta, deve-se incluir na conta de 2009 esses mesmos dados", disse o governador. "Feito isso, verifica-se que a despesa com segurança cresceu R$ 500 milhões, de R$ 4,4 bilhões em 2008 para R$ 4,9 bilhões em 2009", afirmou, discordando também dos números do anuário relativos a 2008. Segundo Cabral, o peso das despesas com aposentadorias e pensões de policiais civis e militares é maior que a folha de pagamento dos policiais ativos.

Cabral defendeu a política de segurança pública no Rio. Ele disse que o Estado será o primeiro a eliminar as carceragens em delegacias, o que deve ocorrer entre o fim de 2013 e o início de 2014. "Estamos prevendo para 2013 ou início de 2014 acabarmos com essa chaga, que é o sujeito ser preso e não julgado e permanecer em carceragens de delegacia de polícia. É uma situação vexatória", afirmou, citando que até o início de 2011 o Estado deve inaugurar dois presídios.

De acordo com Cabral, novas comunidades deverão ser pacificadas já no início do ano que vem. "Meu compromisso com a população é não ter mais controle armado de qualquer bairro, favela ou comunidade do Rio de Janeiro até 2014. Vamos chegar lá", afirmou. "Acho que os dados do Rio são muito positivos em termos de segurança pública. Longe do ideal ainda - eu não celebro nada. Acho que estamos em um processo e vamos continuar investindo em segurança, algo que nós encaramos como prioridade absoluta", acrescentou.

    Leia tudo sobre: segurançario de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG