Bombeiros que tomaram quartel se entregam no Rio

Aproximadamente 2 mil manifestantes ocupavam o complexo desde a noite desta sexta-feira

iG Rio de Janeiro |

André Teixeira/Agência O Globo
Bombeiros ocupam pátio da unidade

Os cerca de 2 mil bombeiros e familiares que haviam tomado o quartel-general da corporação no Rio de Janeiro se entregaram após o Batalhão de Choque da Polícia Militar e o Bope invadirem o local nesta manhã. O grupo havia tomado o local ontem à noite exigindo melhores salários.

Segundo a GloboNews, após a entrega, os bombeiros foram levados para o Batalhão de Choque da PM do Rio.

Nesta manhã, os policiais entraram pela parte de trás do quartel e atiraram bombas de efeito moral na direção de bombeiros e parentes que estavam no pátio do complexo. Segundo uns dos manifestantes foram ouvidos disparos, mas aparentemente não eram de balas letais. Dois helicópteros da Polícia Militar sobrevoavam a região.

A cavalaria evitava que os bombeiros que estavam do lado de fora entrem no pátio. A maior parte dos manifestantes já havia abandonado o complexo depois da invasão da polícia.

Muitos dos bombeiros aplaudiram a ação policial que invadiu o quartel. Um grupo realizou uma caminhada no entorno do pátio gritando palavras de ordem.

A Secretaria Estadual de Saúde informou que os manifestantes que invadiram o quartel em Visconde de Rio Branco serão presos. Até o momento não existe informação sobre feridos.

A Invasão

A invasão de cerca de 2 mil bombeiros ao Quartel Central da Corporação, localizado na Praça da República, região central do Rio de Janeiro. Os bombeiros reivindicam um aumento do salário líquido de R$ 950 para R$ 2 mil e melhores condições de trabalhos.

Logo à frente do prédio estão posicionados mais de 100 policiais militares e um blindado conhecido como “caveirão”, acompanham os amotinados que ao lado de mulheres e filhos, cantam o hino da corporação.

André Teixeira/Agência O Globo
Os manifestantes forçaram o portão principal do quartel para entrar
O comandante da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte disse que a situação seria resolvida logo: "Quando cheguei tinha 1.400 bombeiros no quartel, agora são 500", disse o comandante.

O episódio desta sexta-feira retoma os

protestos do início do último mês

, quando a categoria já havia realizado uma série de manifestações nas ruas do centro. À época, dezenas de bombeiros permaneceram acampados por vários dias em frente à sede da Assembleia Legislativa do Rio.

A informação de deputados de que o governo aceitaria negociar com a categoria encerraria por ora a questão.

* Com Agência Estado

    Leia tudo sobre: manifestaçãobombeiroscentro do rio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG