Biblioteca do PAC em Manguinhos usa performances e filmes para atrair leitores

Espaço amplo, de cores alegres e pé-direito alto, não lembra ambiente silencioso tradicional, e tem seis TVs para freqüentador ver filmes

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

A bela e moderna Biblioteca Parque de Manguinhos usa “performances” de funcionários atores, estantes baixas e livros relacionados a filmes de sucesso para atrair novos leitores entre os frequentadores do centro cultural, a maioria da comunidade e do Jacarezinho.

Especial: PAC completa cinco anos e vira bandeira do governo Dilma para 2012
Projeto: Manguinhos ganha PAC, mas não tem polícia nem coleta de lixo

Raphael Gomide
Biblioteca de Manguinhos tem uma parte dedicada às crianças, com TVs, computadores e brinquedos
O espaço foi inaugurado em abril de 2009 pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), inspirado em projeto de bibliotecas públicas em áreas de conflito social em Medellín, Colômbia – assim como o teleférico do Complexo do Alemão . Em setembro de 2011, o equipamento recebeu o Prêmio José Olympio de Apoio à Leitura, do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), na abertura da Bienal do Livro, com presença da presidenta Dilma Rousseff .

Com sistema informatizado de controle dos 27 mil títulos, inclusive mil filmes, os moradores da região já pegaram mais de 20 mil emprestados, com “taxa irrelevante” de extravio, segundo o diretor, Alexandre Pimentel.

“A biblioteca é um espaço de convivência social, até pela falta de espaços de lazer na região. Muitos vêm para ler revista, usar a internet. É um espaço bonito e agradável, que recebe de 300 a 500 pessoas por dia, e tem fila na porta, às 10 horas, quando abre”, diz Alexandre.

Mais sobre o PAC nas favelas:
Avanço e abandono coexistem na obra que fez de Dilma a ‘mãe do PAC’

‘Vende-se apartamento do PAC no Complexo do Alemão por R$ 25 mil’
Desabrigados por teleférico do Alemão ficaram sem aluguel social

Raphael Gomide
Alexandre Pimentel, diretor da biblioteca, mostra o livro campeão de retiradas
Os cinco bibliotecários que integram o corpo de 33 funcionários cuidam para que as estantes baixas fiquem sempre atraentes, aproveitando “ganchos” como o lançamento de filmes para fisgar novos leitores para livros sobre temas correlatos. Neste início de ano, livros de vampiros estavam expostos em destaque, para aproveitar a febre adolescente pela série Crepúsculo .

Performances de 15 a 20 minutos, como uma recente sobre o clássico Romeu e Julieta , também são usadas com o intuito de provocar a curiosidade sobre autores ou assuntos. “Não tem preço ver alguns frequentadores pegando um livro de Shakespeare!”, comenta o diretor.

William Rosene, 19 anos, é o campeão nos empréstimos de livros. “Eu já gostava de ler, sobre qualquer gênero, mas a biblioteca aqui facilitou muito”, disse ele, que pega de Julio Verne, seu favorito, a livros de Percy Jackson, infanto-juvenil relacionado à mitologia grega.

Raphael Gomide
William é o frequentador que mais pega livros na biblioteca de Manguinhos
O espaço amplo - de cores alegres, pé-direito alto e mezanino - não lembra o ambiente sisudo e silencioso de uma biblioteca antiga. Tem seis TVs de tela plana para assistir a filmes com fones de ouvido, dois computadores para ouvir 3 milhões de músicas do acervo, área destinada a histórias em quadrinhos e salas comunitárias, para reuniões de moradores.

O autônomo Carlos Roberto Rodrigues Júnior escolhe sempre a seção de livros de arte. “Desenho a lápis e gosto de me inspirar. Faço para mim e meus filhos, minha família”, disse.

Vitor Silva, 9 anos, vai todo dia à sala infantil de brinquedos e livros.

“Antes não tinha nada disso aqui. Agora é como se fosse minha casa também. Vejo filme, brinco com meus colegas”, contou ele, que mora na favela Mandela 1, em Manguinhos, e estuda no quarto ano da Escola Maria de Cerqueira, em Benfica, bairro vizinho.

    Leia tudo sobre: Cinco anos do PACPACManguinhosgoverno federalfavelasrio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG