Ataques no Rio fecham comércio e deixam mais de 40 mil alunos sem aula

Por conta das operações da polícia, 150 escolas públicas ficaram fechadas nesta sexta; frequência em restaurantes caiu até 60%

iG Rio de Janeiro |

A onda de ataques promovidos pelo tráfico no Rio está afetando a vida dos moradores da cidade. Bares e restaurantes registram queda de frequência na noite de quinta. E alunos de escolas públicas, principalmente nas áreas onde os ataques estão concentrados, na zona norte, estão sem aula nesta sexta.

A Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro informou que 47.312 alunos ficaram sem aulas na manhã desta sexta-feira (26), em consequência das operações de segurança realizadas na cidade para combater ações criminosas. No total, 135 escolas ficaram fechadas na capital. Já na rede estadual foram 15 escolas que não abriram as portas, de acordo com boletim da Secretaria Estadual de Educação.

A secretaria estadual acrescenta que um dos motivos para a suspensão das atividades foi a dificuldade de acesso dos alunos e professores às unidades da rede. Uma equipe de profissionais da pasta trabalha em prontidão para monitorar essas escolas e, segundo nota oficial divulgada hoje, o conteúdo das aulas será resposto futuramente, sem prejuízo aos alunos.

A Universidade Gama Filho suspendeu as aulas e atividades administrativas. Professores, funcionários e alunos serão liberados a partir das 16h. As aulas de sábado também foram suspensas. A instituição informou em seu site que a rotina será normalizada na segunda-feira, dia 29. A UniverCidade também cancelou as atividades acadêmicas desta sexta-feira, a partir das 17h, assim como a Unisuam.

Bares e restaurantes registram queda na frequência de até 60%

De acordo com um levantamento do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio, Sindrio, donos de bares e restaurantes que abriram as portas nesta quinta-feira (25) registraram forte queda no movimento de clientes. Na zona norte a redução chegou a 60% e na zona sul, 40%.

De acordo com o sindicato, também foram registradas faltas de funcionários que moram em áreas que estão em conflitos e, por isso, não conseguiram sair de casa. Na manhã desta sexta-feira, a situação foi um pouco melhor. A orientação da entidade é a de que os estabelecimentos mantenham o funcionamento normal.

As escolas de samba Portela e Salgueiro suspenderam os ensaios em suas quadras previstos para este final de semana. A Mangueira informou que seu ensaio ocorrerá normalmente na quadra neste sábado, a partir das 22h.

Boatos

No início da tarde, boatos sobre o fechamento dos shoppings Nova América, em Del Castilho, e Norte Shopping, no Engenho Novo, ambos na zona norte, levaram a administração dos dois espaços a divulgarem comunicado oficial negando os rumores. As lojas estão todas abertas, segundo a assessoria dos shoppings e o funcionamento será normal, até às 22h.

Na Penha, polícia orienta morador a ficar em casa

O relações-públicas da PM, coronel Lima Castro, recomendou aos moradores do Complexo da Penha fiquem em casa enquanto durarem os confrontos entre policiais e traficantes.

Segundo o coronel, moradores de rua devem buscar abrigo no 16º BPM (Olaria), onde há um grupo de assistentes sociais para fazer o acolhimento.

Hospitais públicos

A Secretaria Municipal de Saúde informa que algumas unidades localizadas no entorno do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro, áreas que registram os conflitos mais intensos entre traficantes e policiais, precisaram suspender as atividades por conta das ações de segurança. O balanço oficial com o número total de hospitais e postos de saúde fechados ainda não foi apresentado. As informações devem ser divulgadas até o fim da tarde desta sexta-feira.

De acordo com a secretaria, as grandes emergências, no entanto, estão todas abertas e funcionando normalmente.

A Secretaria Estadual de Saúde informou que os hospitais da rede e as UPAs 24h funcionam sem problemas.

Transporte municipal

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor) e o Sindicato dos Rodoviários do Rio orientaram as empresas a circularem com toda a frota nesta sexta-feira. As duas entidades negaram que as empresas iriam entrar em greve.

A Fetranspor esclarece que os pontos de ônibus localizados próximos às áreas de cofronto entre traficantes e policiais na Vila Cruzeiro foram transferidos para ruas próximas que estejam seguras.

Rodoviária

A assessoria de imprensa da Rodoviária Novo Rio informou que a circulação de ônibus está normal e o embarque e desembarque estão sendo feito sem atrasos.

    Leia tudo sobre: escolas fechadasconfrontopoliciaistraficantes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG