Ataques no Rio: `É importante que o turista saiba que há uma bem-planejada política de segurança¿

Apesar dos recentes ataques de traficantes, presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, e presidente da ABIH-RJ, Alfredo Lopes, acreditam que situação tende a ser normalizada com ação da polícia

Carmen Moreira, iG Rio de Janeiro |

O Rio de Janeiro está em guerra. Uma série de ataques criminosos, que começaram no último domingo (21), estão tirando a tranquilidade dos cariocas. Em todo o mundo já é possível acompanhar a ação da polícia que se espalhou pela cidade e o atual confronto com os bandidos nas comunidades do Alemão e da Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio. E com isso, a imagem da cidade – famosa por réveillons e carnavais apoteóticos e que vai abrigar a final da Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016, fica no mínimo abalada.

Apesar disso, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (ABIH-RJ), Alfredo Lopes, e o secretário de Turismo e presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, estão confiantes na atual política de Segurança Pública do Rio. “Para o Turismo, o importante é que o turista saiba que há uma intensa e bem-planejada política de segurança, alcançando resultados positivos para o Rio”, disse Antonio Pedro em um comunicado enviado por e-mail ao iG. Alfredo Lopes acredita que esta onda de violência “é reflexo da ocupação das comunidades há décadas abandonadas. Só que a ação mexe diretamente no bolso dos bandidos e os atos de terrorismo são tentativas de desmoralizar a ação do governo”.

O presidente da ABIH-RJ não acredita que as duas datas mais importantes para o turismo no Rio, réveillon e carnaval, serão afetadas. “O mercado internacional fez suas reservas com antecedência e provavelmente não teremos cancelamentos imediatos. Já o turista nacional está começando agora a decidir seu destino para essas datas e a situação tende a ser normalizada com a ação enérgica da polícia”.

No entanto, ele alerta que se essas demonstrações de violência continuarem a médio e longo prazo, as reservas na rede hoteleira do Rio para a Copa do Mundo e Olimpíadas podem sim ser prejudicadas. “Obviamente a situação não é positiva para a cidade, mas são datas distantes e uma política de Segurança Pública direcionada e com o apoio das forças nacionais reverte e compensa naturalmente os prejuízos causados à imagem”.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG