Após soltura de 439 colegas, bombeiros prometem deixar Alerj

Ocupação das escadarias completa uma semana sábado. Fim de semana tem grande manifestação prevista para a praia de Copacabana

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Márcia Foletto / Agência O Globo
Bombeiros estão desde sábado acampados em frente da sede da Alerj
Após a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que determinou a soltura dos 439 bombeiros presos pela invasão do quartel-general da corporação na sexta-feira passada (3), os manifestantes afirmaram hoje (10) que vão deixar as escadarias da Assembleia Legislativa. A libertação do grupo era a principal reivindicação para a retomada das negociações.

“Nós sairemos da Alerj até domingo. As coisas vão caminhar agora progressivamente, de maneira serena”, afirmou o segundo-sargento Jorge Edson Moura, uma das lideranças e porta-vozes do movimento.

Quatrocentos e dezesseis bombeiros que estão presos em um quartel de Niterói estão aguardando o alvará de soltura para deixar o local. Assim que saírem, eles prometem ir para a Alerj.

A saída da Alerj não vai significar, porém, o fim do movimento. Está programada para as 10h de domingo uma grande manifestação dos bombeiros na orla de Copacabana, com passeata e carreata. Os bombeiros continuarão a pedir piso mínimo de R$ 2.000, além de vale-transporte e melhores condições de trabalho. O comandante-geral da corporação e novo secretário de Defesa Civil, Sérgio Simões, afirmou que voltará a pedir reajuste ao governo.

Bombeiros e parentes onde estão acampados às portas da Alerj desde sábado (4). Nesta quinta-feira (9), o governo ofereceu a antecipação do reajuste de 5,5% , de dezembro para julho, e recriou a Secretaria de Defesa Civil, aumentando a autonomia do Corpo de Bombeiros. Na madrugada, o Tribunal de Justiça concedeu o habeas corpus aos presos.

Na Alerj, os manifestantes celebram a notícia desde a manhã. “Acordei com meu marido, Alexandre Magnus, me ligando e dando a notícia! Ele perguntou: ‘Já está sabendo? Recebemos habeas corpus!’”, contou, entusiasmada, Alessandra de Souza Monteiro. Magnus foi o primeiro bombeiro a ter o pedido de habeas corpus negado, ainda no plantão do fim de semana.

Os bombeiros soltos são esperados com ansiedade pelos manifestantes na Alerj, onde serão recebidos com festa. Neste momento, estão passando por exames de corpo de delito antes de serem liberados e virem juntos ao centro do Rio.

    Leia tudo sobre: manifestaçãobombeirosreajuste salarial

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG