Após chuvas na Região Serrana do Rio, Cabral pede ajuda à Marinha

Medida Provisória que autoriza o repasse de R$ 700 milhões está sendo aprovada pelo Ministério do Planejamento

iG Rio de Janeiro |

Agência O Globo
Uma tromba d'água provocou mortes e deslizamentos no bairro Caleme, em Teresópolis
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, solicitou nesta quarta-feira (12) ao comandante da Marinha Brasileira, almirante Júlio Moura, que disponibilize helicópteros da Força Armada para ajudar no deslocamento de mais tropas e equipamentos do Corpo de Bombeiros para a Região Serrana fluminense. Os municípios de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo sofrem desde a noite de terça-feira com fortes chuvas e já contabilizam mais de 90 mortos.

A previsão é de que Cabral visite a região na quinta-feira. Na manhã de hoje, o vice-governador Luiz Fernando Pezão fez um sobrevoo nos lugares mais castigados pelo mau tempo. Todos os helicópteros do governo, inclusive das polícias Civil e Militar, foram mobilizados para transportar bombeiros e equipamentos para as regiões afetadas.

"Nunca vi nada igual, nem mesmo nos deslizamentos em Angra dos Reis no ano passado. Esse é o momento de ver o que pode ser feito para resolver a situação dessas pessoas, buscando, principalmente, desobstruir as estradas e garantir o acesso de serviços e apoio para se devolver a normalidade à população", disse Pezão.

Procurada pela reportagem do iG , a Secretaria Nacional de Defesa Civil informou que uma Medida Provisória (MP) que autoriza o repasse de R$ 700 milhões para o Estado do Rio está sendo aprovada pelo Ministério do Planejamento. O secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana Filho, deve visitar na quinta-feira a Região Serrana do Estado  do Rio de Janeiro.

Tragédia

Em Nova Friburgo, a precipitação da chuva chegou a 260 milímetros em 24 horas, enquanto em todo o mês de janeiro o volume foi de 180 mm. De acordo com o Instituto Climatempo, entre 2h e 3h choveu 60 mm no município. Um temporal de 25mm por hora já é considerado forte. O Rio Bengalas subiu quase um metro acima do leito e inundou várias vias da cidade.

O fornecimento de energia elétrica foi interrompido na cidade e, segundo o tenente-coronel Alexandre Rocha, que coordena as providências na Central Operacional da Defesa Civil do Estado no Rio, há muita dificuldade de comunicação telefônica tanto fixa quanto móvel.

Em Teresópolis, vários bairros estão isolados e falta energia elétrica. O prefeito Jorge Mário decretou estado de calamidade pública.

    Leia tudo sobre: tragédiachuvastemporalmeteorologiateresópolis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG