Escolta armada garante trabalho de garis durante greve da categoria no Rio

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Os trabalhadores da limpeza urbana rejeitaram a proposta de reajuste salarial de 3% feita pela Comlurb

Agência Brasil

Garis em greve no Rio de Janeiro
jose lucena/Futura Press
Garis em greve no Rio de Janeiro

Equipes de garis trabalham hoje (14), na limpeza da cidade, vigiados por seguranças de empresas privadas que fazem escolta armada, de carro, para os caminhões de lixo. A categoria está em greve e faz assembleia hoje para discutir o movimento. Havia muito lixo pelas ruas do centro do Rio, em consequência da paralisação, iniciada à zero hora desta sexta-feira (13).

Na noite de ontem, foi decidido manter a greve por tempo indeterminado, mesmo depois que a vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ), desembargadora Ana Maria Soares de Moraes, determinou que, caso a paralisação continue, os garis terão que manter pelo menos 75% das atividades, sob pena de multa diária de R$ 100 mil a ser paga pelo Sindicato dos Empregados das Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro.

A determinação da desembargadora Ana Maria Soares de Moraes ocorreu após audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ), realizada à tarde, na qual não houve acordo entre os representantes do sindicato, da comissão de grevistas e da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). Nova audiência de conciliação foi marcada para quarta-feira (18), na Seção Especializada em Dissídios Coletivos (Sedic) do TRT-RJ, na qual o sindicato deverá apresentar defesa no dissídio coletivo de greve, caso a paralisação seja mantida.

De acordo com a Comlurb, o plano de contingência está em ação desde a noite de ontem, “de forma a minimizar os impactos e transtornos à população”, com prioridade para a coleta de lixo domiciliar. “Além da contratação de empresas de limpeza terceirizadas, a prefeitura também colocou à disposição da companhia carros, equipamentos e agentes de outros órgãos municipais”, informa.

Os trabalhadores da limpeza urbana rejeitaram a proposta de reajuste salarial de 3% feita pela Comlurb. Eles pedem aumento salarial equivalente ao índice da inflação, além de 40% de acréscimo no adicional de insalubridade e vale-alimentação de R$ 27 reais por dia. No ano passado, após oito dias parados, inclusive no carnaval, o que levou ao acúmulo de toneladas de lixo por toda a cidade, o movimento conseguiu 44% de aumento salarial.

Leia tudo sobre: garisgreves dos garisrio de janeiroigrj

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas