Força Nacional permanecerá no Morro do Santo Amaro por mais 90 dias

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Agentes ocupam favela desde 2012 para dar suporte a ações de combate ao crack e de segurança pública

Agência Brasil

A Força Nacional de Segurança permanecerá no Rio de Janeiro por mais 90 dias para dar apoio ao programa Crack, é Possível Vencer, do governo estadual, no Morro do Santo Amaro, no Catete, zona sul da capital fluminense. A decisão do Ministério da Justiça foi publicada hoje (21) no Diário Oficial da União. Desde 2012, os agentes da Força Nacional ocupam a comunidade, antes dominada pelo comércio da droga.

Falta de pessoal capacitado trava repasses de verbas contra o crack, diz governo

De acordo com a publicação, a medida tem como objetivo apoiar os órgãos estaduais nas ações de segurança pública e dar suporte às operações desenvolvidas pelo estado no combate ao crack no Santo Amaro. O prazo de permanência do policiamento da Força Nacional no Santo Amaro poderá ser prorrogado novamente.

Veja imagens feitas por fotógrafo italiano na cracolândia de São Paulo:

Usuárias Danielle e Sabrina, ambas com 19 anos. Algumas meninas usam a prostituição para conseguir o crack. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiJúnior, de 24 anos, autorizou ser fotografado fumando crack no centro de São Paulo. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiMãos do usuário Daniel, de 24 anos, em posição "espiritual", segundo Ortu. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiJá as mãos Pedro Enrique, de 18 anos, revelariam agressividade do jovem. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiThiago Rodriguez, de 26 anos, foi flagrado por Ortu na Cracolândia, no centro de São Paulo. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiValéria, de 32 anos, deixou ser fotografada pelo profissional italiano. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiRegistro do jovem Gabriel, de 17 anos. O fotógrafo se espantou com a presença de menores na Cracolândia. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiUsuários Jay e Kelly. Ortu passou ao menos um ano registrando os moradores da região. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiGiuliano, de 16 anos, cobre o rosto durante registro de Alessio Ortu. "Sempre após um pedido de autorização humano", diz. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiJerson, de 34 anos, limpa o rosto de Jonatas, de 25. Fotógrafo presenciou cenas de amizade entre os usuários. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiUsuários Júnior, de 24, e Rangel, de 27. Fotos foram expostas no Palácio da Justiça. Foto: Alessio Ortu/Simulacrum PraecipitiiCena do documentário Simulacrum Praecipitii com o trabalho de Alessio Ortu (na foto). Foto: Reprodução

Já os agentes da Força Nacional que vieram ao Rio para fazer a segurança durante a Copa do Mundo poderão permanecer no estado até o dia 31 de dezembro, caso o Ministério da Justiça aceite o pedido feito pelo governador Luiz Fernando Pezão. No ofício enviado ao ministro José Eduardo Cardozo na última terça-feira (15), o governador alegou que policiais militares não tiraram férias durante o Mundial, o que deverá ser organizado a partir de agora. Além disso, Pezão prevê aumento das demandas durante o período eleitoral, o que vai requerer a mobilização de todo o efetivo da Polícia Militar (PM).

Até o fechamento desta reportagem, o Ministério da Justiça não havia respondido à Agência Brasil sobre a possibilidade de prorrogação do prazo da permanência das tropas da Força Nacional de Segurança nesse caso.

Pezão também enviou na terça-feira um ofício à presidenta Dilma Rousseff pedindo a permanência das Forças Armadas no Complexo da Maré, na zona norte da cidade, para garantir a lei e a ordem, já que a PM estará mobilizada durante as eleições. A comunidade está ocupada pelos militares desde o início de abril. Diariamente, 2,2 mil homens das Forças Armadas fazem a segurança na região, segundo o Ministério da Defesa.

Até o momento, a Presidência da República não decidiu se prorrogará ou não a permanência dos militares no Complexo da Maré. De acordo com a Secretaria de Comunicação da Presidência, o pedido ainda está sob análise.

Leia tudo sobre: crackrio de janeiroforça nacional

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas